Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Bolsa de Nova York quer mais empresas brasileiras

media A bolsa de Nova York quer atrair brasileiros. REUTERS/Brendan McDermid

A crise na Europa e nos Estados Unidos está levando os americanos a quererem ampliar a presença de empresas brasileiras nas bolsas do país. A revelação foi feita pelo presidente da Bolsa de Nova York, Duncan Niederauer, ao ministro da Fazenda brasileiro, Guido Mantega.

Os dois se reuniram, em Brasília, e trataram sobre a crise. "Esperamos construir mais parcerias aqui e ficamos muito otimistas em relação às perspectivas para o Brasil. Quase 30 grandes companhias brasileiras estão listadas [na Bolsa de NY], e esperamos ter mais do Brasil e da região", afirmou, após o encontro. Entre as empresas brasileiras listadas no pregão estão a Vale e a Petrobrás, que figuram entre as dez mais líquidas da bolsa.

Ele ainda disse que as economias emergentes são “incrivelmente importantes para economia mundial”. Apesar da forte turbulência nos mercados, o americano manteve a visita ao Brasil, programada há cerca de dois meses, e se encontra nesta semana com empresas e investidores brasileiros para atrai-los para a bolsa norte-americana.

O foco de Niederauer é nas empresas que estão abrindo capital no país e que poderiam operar também no exterior. Ele citou outros mercados tão promissores quanto o brasileiro, como os do Chile, do Peru, da Colômbia e das Filipinas.
 

 
O tempo de conexão expirou.