Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Reviravolta no resultado das eleições pode dar vitória a Morales e provoca revolta na Bolívia

media Os apoiadores do candidato presidencial boliviano Carlos Mesa protestam em La Paz, Bolívia, em 21 de outubro de 2019. REUTERS/Ueslei Marcelino

Depois de uma contestada interrupção de 24 horas, o Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia retomou a contagem dos votos. Os resultados parciais agora dão a vitória a Evo Morales, provocando distúrbios nas principais cidades do país na noite de segunda-feira (21).

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia - que responde aos interesses do presidente Evo Morales - realizou uma contagem rápida dos votos, após interrompê-la no domingo, quando a apuração estava em 83,7%. Naquele momento, Evo Morales aparecia com 45,7% dos votos e Carlos Mesa, com 37,8%. A diferença de 7,9%, irreversível para os analistas, que apontavam para um inédito segundo turno.Porém, repentinamente, a divulgação dos votos foi suspensa, despertando suspeitas de fraude.

Na noite de segunda-feira, a divulgação foi retomada, mas o cenário já era outro: com 95,2% dos votos apurados, Evo Morales obtinha 46,8% contra 36,7% de Carlos Mesa, a diferença agora passava a 10,1%, suficientes para Evo Morales chegar a um controverso quarto mandato presidencial.

Pela regra boliviana, para ganhar no primeiro turno, o candidato deve superar os 50% dos votos ou ter mais de 40%, mas com uma diferença de, pelo menos, dez pontos de vantagem sobre o seu adversário imediato.

"Evo Morales não podia considerar a possibilidade de um segundo turno porque sabia que, se não ganhasse no primeiro, não teria chances no segundo, quando toda a oposição tenderia a se unir em apoio a Carlos Mesa", explicou à RFI o analista político boliviano, Raúl Peñaranda. "Ou Evo Morales ganharia no primeiro turno ou não ganharia mais", afirmou.

Revolta popular

Imediatamente, em frente ao hotel em La Paz, onde o TSE realiza o trabalho de contagem dos votos, militantes do partido Comunidade Cidadã de Carlos Mesa gritavam "fraude" enquanto militantes do Movimento Ao Socialismo, legenda de Evo Morales, festejavam o resultado. A polícia precisou de intervir nos enfrentamentos entre os dois grupos com bombas de gás lacrimogêneo.

A reviravolta no resultado eleitoral provocou cenas de revolta popular nas principais cidades do país. Manifestantes indignados queimaram urnas encontradas em casas e carros. Dois tribunais eleitorais regionais, nas cidades de Sucre e Cobija, foram incendiados. Os protestos continuaram ao longo da noite.

Organizações civis e partidos políticos convocaram marchas de "resistência civil" nas principais cidades do país para esta terça-feira (22).

Contagem manual

A decisão do TSE surpreendeu ainda mais porque o próprio órgão havia anunciado que abandonaria a apuração dos votos através das atas confeccionadas e passaria apenas à contagem manual, voto por voto. Por essa metodologia que poderia durar até oito dias, com 60,9% dos votos apurados, Evo Morales tinha 42,3% contra 42,5% de Carlos Mesa numa disputa acirrada na qual, inclusive, Mesa liderava.

Carlos Mesa anunciou que desconsideraria os resultados, denunciou fraude e pediu que a missão de observadores internacionais tivesse a mesma atitude.

"Não vamos permitir outro 21 de fevereiro", avisou Mesa, em referência ao referendo de fevereiro de 2016 no qual 51,3% da população disse "Não" a uma reforma constitucional para habilitar a reeleição indefinida de Evo Morales.

Apesar da derrota, o governo recorreu ao mesmo Tribunal Superior Eleitoral que, em 2017, permitiu uma quarta candidatura do presidente baseado no artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos no qual toda pessoa "tem o direito de participar num governo do seu país, diretamente ou por meio de representantes livremente eleitos".

O chefe dos observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA), Manuel González, classificou o resultado como "uma mudança drástica e inexplicável" o giro do TSE.

Para ele, a reviravolta "modifica drasticamente o destino da eleição e que gera perda de confiança no processo eleitoral e uma profunda preocupação e surpresa", disse González. Ele lamentou que essa mudança tenho gerado conflitos em várias cidades e que o candidato Evo Morales tenha feito "um notório uso dos recursos públicos".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.