Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 12/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 12/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 12/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 11/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 11/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Justiça da Venezuela abre investigação por ‘alta traição’ contra Guaidó

media O presidente auto-proclamado da Venezuela, Juan Guaidó, em Caracas, em 28 de agosto de 2019. MATIAS DELACROIX / AFP

A justiça venezuelana abriu nesta sexta-feira (6) uma investigação contra Juan Guaidó por "alta traição" por querer "entregar" às multinacionais um território da Guiana reivindicado por Caracas, ações que são adicionadas a vários casos destinados a reprimir o opositor em sua campanha para tirar o presidente Nicolas Maduro do poder.

"Abrimos uma investigação" contra Juan Guaidó por fatos que constituem "um crime de alta traição", disse o procurador-geral Tarek William Saab, considerado próximo ao poder chavista, em um discurso televisionado.

A Justiça suspeita que Juan Guaidó, reconhecido por 50 países como presidente interino, queria "entregar" às empresas multinacionais o Esequibo, um território rico em minerais da Guiana que Caracas reivindica.

O opositor reagiu imediatamente chamando a intervenção do procurador-geral de "paródia". Em um discurso proferido em Puerto Cabello (leste), ele disse que pretendia "desviar a atenção do que é realmente importante", isto é, a presença na Venezuela de grupos armados colombianos, como o Dissidentes do ELN e das Farc que anunciaram na semana passada seu retorno às armas.

E isso, segundo Guaidó, com a "permissão" do governo de Nicolas Maduro.

(Com informações da AFP)

 

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.