Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Venezuela recebe primeira remessa de ajuda humanitária europeia

media Mulher carrega itens provenientes da primeira remessa de ajuda humanitária em Caracas, em 16 de abril de2019. REUTERS/Manaure Quintero

A Federação Internacional da Cruz Vermelha (FICV) enviou um terceiro carregamento para a Venezuela com 34 toneladas de ajuda humanitária doadas pela Itália, informou a organização em um comunicado à imprensa nesta quarta-feira (31).

A nova carga se soma às já enviadas em abril e junho e foi coordenada pela Cruz Vermelha Italiana "com o apoio do Ministério italiano das Relações Exteriores e doadores privados", acrescenta o texto.

Os envios da Cruz Vermelha italiana para a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho "visam a fornecer uma gama de serviços de saúde para 650 mil pessoas na Venezuela por 12 meses".

O carregamento, o primeiro que chega da Europa, inclui medicamentos essenciais, como antibióticos e anti-inflamatórios, produtos descartáveis e equipamentos médicos, como desfibriladores, segundo a organização.

“Aliviar o sofrimento”

"Sabemos que essa remessa não atenderá a todas as necessidades do país: pedimos a todos os parceiros e doadores que apoiem nosso chamado para aliviar o sofrimento dos venezuelanos", disse o presidente da FICV e da Cruz Vermelha Italiana, Francesco Rocca, citado no comunicado.

A Venezuela enfrenta a pior crise de sua história recente, com uma hiperinflação que fecharia 2019 a 10.000.000%, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). A crise se manifesta principalmente nas dificuldades para adquirir medicamentos, alguns escassos e outros inatingíveis para a maioria.

Em abril, o presidente Nicolás Maduro chegou a um acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para a entrada da ajuda humanitária, em meio a uma luta que ele tem com o líder da oposição Juan Guaidó pelo poder.

Os suprimentos anteriores saíram do centro de logística da Cruz Vermelha no Panamá.

Segundo as Nações Unidas, pelo menos 7 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população da Venezuela, precisam de ajuda humanitária urgente.

(AFP)

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.