Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Chanceler brasileiro diz que Venezuela é "a grande pedra no caminho da América do Sul"

media O chanceler brasileiro Ernesto Araújo fez uma das únicas menções à crise venezuelana durante a reunião do Mercosul em Santa Fé. REUTERS/Adriano Machado

Pela primeira vez nos últimos 13 anos, a Venezuela ficou fora dos discursos dos membros do Mercosul. Em uma das raras menções à crise venezuelana durante a 54ª reunião de cúpula do grupo que acontece em Santa Fé, na Argentina, o chanceler brasileiro Ernesto Araújo falou do país de Nicolás Maduro como uma “grande pedra no caminho da América do Sul”.

Enviado especial a Santa Fé

Desde que começou o seu processo de adesão ao Mercosul em 2006, até a sua suspensão em 2017, a Venezuela sempre esteve presente nos discursos dos representantes do bloco sul-americano. Mas desta vez, o país desapareceu das discussões dos ministros das Relações Exteriores do bloco, que vive um momento de euforia depois do acordo com a União Europeia.

Com reuniões a cada seis meses, a crise venezuelana sempre foi o ponto forte dos debates, mesmo depois da suspensão do país do bloco por "ruptura da ordem democrática". Mas agora, o chanceler brasileiro Ernesto Araújo, em discurso no plenário do Mercosul em Santa Fé, classificou o tema como um assunto que ninguém quer abordar. "Neste momento, é preciso reconhecer que existe um elefante na sala, que é a questão da Venezuela", ressaltou o representante de Brasília.

"Estamos mudando o peso da nossa região no mundo. O século XXI pode ser o século da América do Sul", indicou Araújo, que se referiu à Venezuela como "a grande pedra no caminho da América do Sul".

"O grande desafio que hoje se depara a nossa região é a plena recuperação da democracia em toda a região e, neste sentido, o grande desafio é a situação da Venezuela, um regime ditatorial que já não se preocupa em proporcionar nada para o seu próprio povo, mas apenas em se manter no poder a qualquer custo", acusou.

"O resto do mundo olha para nós com imensa expectativa. Só que a primeira pergunta é 'e a Venezuela'?", concluiu o ministro Ernesto Araújo em rara citação à crise venezuelana numa reunião marcada pela exaltação ao livre comércio a partir do acordo com a União Europeia e das negociações em fase final com o EFTA (Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein) e com o Canadá.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.