Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”
 
Sede do Mercosul em Montevidéu, no Uruguai. Flickr/CC/Carlos Borroni

Não é apenas a França que está reticente sobre o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul. Na Argentina, a oposição chegou a declarar que o compromisso é uma "tragédia" ou um “industricídio”, como classificou a Central Geral dos Trabalhadores. Preocupado, o presidente Mauricio Macri receber nesta quarta-feira (3) representantes de mais de 30 câmaras empresariais para explicar os detalhes do tratado.

Marcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

As reações do governo francês sobre o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul foram recebidas com cautela na Argentina, mas sem surpresas. O governo Macri entende que as declarações tinham como alvo os produtores agropecuários franceses que emperraram as negociações.

O ministro da Produção da Argentina, Dante Sica, que participou das discussões sobre o acordo, afirma que confia na ratificação do compromisso pela França porque o texto "é muito equilibrado em termos de demandas e de concessões". Segundo ele, as incertezas do governo Macron são "um bom sinal para os argentinos", porque demonstra que a França "não ganhou tudo o que queria ou que teve de ceder mais do que pretendia".

Já o chanceler Jorge Faurie advertiu que será "muito difícil mudar as coisas que já estão assinadas e negociadas".

Oposição contra o acordo

A Argentina está em plena corrida eleitoral para as eleições de outubro. O candidato que lidera as pesquisas, Alberto Fernández, na chapa de Cristina Kirchner, candidata a vice, disse que, com o compromisso, o setor automotivo será um dos mais castigados. Segundo ele, se a Argentina perde, não há razões para se assinar um acordo com a Europa. Fernández também avisou que, se for eleito pode rever outras decisões de Macri. 

A Central Geral dos Trabalhadores, que apoia Fernández e critica Macri, classificou o acordo como um "industricídio", ou seja, o homicídio da indústria argentina, especialmente no setor de auto-peças. 

Macri, que concorre à reeleição, já começou a usar o compromisso em sua campanha. Nas últimas horas, ao visitar as obras de uma auto-estrada, ele declarou que "o acordo abre um enorme futuro para a Argentina".

A estratégia de Macri é apontar para um horizonte de crescimento a partir de uma reinserção da Argentina no cenário internacional com uma economia aberta e competitiva. O presidente aponta para o futuro porque, no presente, o país está em recessão desde o ano passado.

Empresários estão inseguros

Os setores agropecuários apoiam o acordo comercial. Já as câmaras empresariais oscilam entre apoio e dúvidas. Para Guillermo Moretti, vice-presidente a União Industrial Argentina, o compromisso "não é uma boa notícia para a indústria argentina".

Para seduzir os empresários, Macri receberá nesta quarta-feira mais de 30 câmaras empresariais para esclarerer os detalhes do acordo. Depois do encontro, os ministros que participaram das negociações farão um trabalho junto aos setores mais sensíveis à concorrência europeia.

O objetivo do governo é conter esses setores para evitar que empresários e sindicatos juntos disseminem dúvidas sobre o acordo. Como na França, as organizações sindicais são muito fortes na Argentina. 

Pântano político

Se Macri ganhar as eleições de outubro, o acordo terá grandes chances de ser aprovado. Se ele perder, tudo ficará num pântano político. 

As pesquisas de intenção de voto indicam um empate técnico entre Macri e Fernández, contrário ao livre comércio. A oposição tem uma vantagem de três ou quatro pontos, mas o número de indecisos é alto. Conquistando essa fatia do eleitorado é que o governo acredita poder reverter esse quadro. 

A aprovação do acordo entre o Mercosul União Europeia no Congresso argentino provavelmente será tarefa dos novos legisladores eleitos em outubro. Durante o período eleitoral, é difícil que haja quorum para uma votação.

O governo brasileiro teme que a disputa política argentina emperre o compromisso. Por isso, quer aprovar uma cláusula que permita aos membros do Mercosul entrarem individualmente no acordo à medida que cada Parlamento aprovar o texto, sem esperar que todos os países o ratifiquem, como funciona atualmente. A questão, aliás, será discutida durante a próxima reunião de Cúpula do Mercosul na Argentina, daqui a duas semanas. 


Sobre o mesmo assunto

  • Chanceler e ministro da Agricultura da França reforçam obstáculos para ratificação de acordo UE-Mercosul

    Saiba mais

  • Ministro francês do Meio Ambiente diz que acordo UE-Mercosul "só será ratificado se Brasil respeitar seus compromissos" sobre desmatamento

    Saiba mais

  • O Mundo Agora

    Opinião: acordo com UE é chance para Mercosul ter mentalidade capitalista moderna

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.