Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Em corrida eleitoral na Argentina, vice de Macri tem posição afinada com Bolsonaro

Em corrida eleitoral na Argentina, vice de Macri tem posição afinada com Bolsonaro
 
Para tentar romper esse duelo de titãs, Macri x Cristina, o ex-ministro da Economia, Roberto Lavagna, aparece como uma "terceira via" de centro Wikipédia

O prazo para as inscrições de coligações políticas na Justiça eleitoral argentina venceu nesta quarta-feira (13) à meia-noite. As eleições de 27 outubro terão sete frentes eleitorais e, a partir de agora, restam dez dias para serem anunciados os candidatos a presidente. As chapas com mais chances de vitória já estão definidas.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

Nesse intrincado embate, o candidato a vice de Macri tem um discurso afinado com o do presidente Bolsonaro em matéria de Economia, de Segurança e de Forças Armadas. A campanha eleitoral argentina terá início oficial a partir de 12 de julho, mas, na prática, a corrida já começou.

As duas chapas com mais força vão polarizar a disputa entre a reeleição do presidente Mauricio Macri e a volta de Cristina Kirchner (2007-2015), desta vez como vice-presidente, mas dona dos votos e do poder. Uma terceira via tenta romper esse duelo Macri x Cristina que divide o país, a liderada pelo ex-ministro da Economia, Roberto Lavagna (2002-2006).

Cardápio eleitoral

As alianças políticas apontam a uma polarização que antecipa uma briga acirrada. A novidade das últimas horas veio pelo lado do presidente Mauricio Macri, que anunciou, como seu candidato a vice, o antes opositor peronista Miguel Pichetto, ex-aliado de Cristina Kirchner. Foi uma estratégia para ampliar a coligação de governo e polarizar a corrida eleitoral contra a ex-presidente.

"É uma boa jogada no âmbito da política clássica. Não há operação sem risco e na política não existe a perfeição. Falta avaliar agora quanto Pichetto soma para a candidatura de Macri, mas Pichetto permite melhor negociação no Congresso", diz o prestigioso cientista político Rosendo Fraga, diretor do Centro de Estudos União para a Nova Maioria.

Até o anúncio de Macri, a jogada política mais impactante no cenário eleitoral tinha sido o anúncio da ex-presidente Cristina Kirchner de ser candidata a vice na chapa com Alberto Fernández, seu ex-chefe de gabinete, candidato agora a presidente.

Para tentar romper esse duelo de titãs, surge o ex-ministro da Economia, Roberto Lavagna, numa espécie de terceira via pelo centro. O problema é que essa terceira via perdeu pesos pesados. Um deles foi o próprio Miguel Pichetto que passou para a trincheira de Macri; o outro, Sergio Massa, que tinha ficado em terceiro lugar nas últimas eleições presidenciais em 2015. Massa agora passa para o pelotão de Cristina contra quem passou os últimos seis anos fazendo oposição.

Reação dos mercados

Desde que anunciou a sua candidatura, em maio, como vice-presidente, Cristina Kirchner vinha somando intenções de voto. A estratégia de levar um candidato a presidente mais aberto ao diálogo e menos resistido do que ela, visava captar apoio do centro.

Como candidata a vice-presidente, Cristina Kirchner garante a imunidade diante da ação da Justiça em 13 processos penais, a maioria por corrupção. A atual senadora tem sete pedidos de prisão preventiva que só não são executados devido a essa imunidade.

O mercado percebeu que, por mais vice que seja, será Cristina quem terá o verdadeiro poder. Depois do anúncio de Macri na terça-feira, houve uma euforia nos mercados. O peso argentino recuperou 2,3% em relação ao dólar, chegando ao nível mais baixo dos últimos dois meses. A bolsa de valores de Buenos Aires subiu 6,3%. As ações de empresas argentinas em Wall Street aumentaram, em média, 18%. A taxa de risco-país da argentina caiu 9%. Os títulos argentinos subiram 3%.

Para os mercados, a decisão de Macri de ampliar a coligação de governo significa não só o aumento das possibilidades de reeleição, mas mais força legislativa para aprovar um programa de reformas em negociação com o FMI. No menu quase brasileiro, reformas previdenciária, trabalhista e tributária.

Os investidores preferem um candidato pró-mercado como Macri a um governo intervencionista como o da ex-presidente Cristina Kirchner. "Foi uma jogada importante que aponta também ao futuro. Não só ganhar as eleições, mas poder governar. Miguel Pichetto não soma muitos votos a Macri, mas permite maior governabilidade no Parlamento", observa a cientista política Mariel Fornoni, diretora da Management & Fit, especializada em opinião pública.

Pesquisas eleitorais

A partir do lançamento das candidaturas, será possível fazer uma pesquisa de intenção de voto mais clara. "Como a opinião pública vai reagir? Essa é a incógnita. Pichetto não é uma figura muito popular. É preciso ver como os eleitores vão reagir, se vão acompanhar esse movimento. Vamos precisar de tempo para medir essa tendência", pondera o renomado cientista político Sergio Berensztein.

Até agora, as sondagens indicam uma luta acirrada entre o atual presidente Macri, desgastado pela recessão econômica associada a uma inflação galopante, e Cristina Kirchner, desgastada pelos escândalos de corrupção.

"A disputa eleitoral fica polarizada: aquilo que só aconteceria num eventual segundo turno pode acontecer a partir de agora. Essa decisão altera toda a dinâmica do processo eleitoral e pode mesmo definir-se no primeiro turno", indica Berensztein. Na Argentina, bastam 45% para ser eleito no primeiro turno ou 40% desde que haja uma diferença de 10 pontos sobre o segundo colocado.

"Num segundo turno, as forças políticas consideradas 'democráticas' iam apoiar Macri para evitar um retorno de um populismo que Cristina representa. Esse alinhamento começou agora com um segmento importante do peronismo liderado por Pichetto, chefe da maior bancada no Senado", aponta Berensztein.

Segundo os analistas políticos, o duelo será entre dois modelos de país completamente antagônicos. De um lado, o atual de Macri, liberal, com fortalecimento das instituições e aberto aos mercados. De outro, o de Cristina Kirchner, populista, com forte intervenção na economia e de hiper concentração do poder.

"O governo de Cristina Kirchner foi caracterizado pelo hiperpresidencialismo em detrimento das demais instituições", sintetiza Rosendo Fraga. A estratégia da oposição é associar a imagem de Cristina Kirchner com a da Venezuela de Nicolás Maduro, com quem a Argentina teve um vínculo estreito até a chegada de Macri ao governo em dezembro de 2015, iniciando uma virada à direita na região.

O presidente Jair Bolsonaro, na semana passada aqui em Buenos Aires, apelou à responsabilidade dos argentinos para não elegerem o caminho de outra Venezuela na região.

Sintonia com Bolsonaro

Miguel Pichetto citou Bolsonaro quando anunciou que seria candidato a vice. Mencionou o presidente brasileiro como exemplo de integração da Argentina com o mundo. Pichetto esteve com o presidente brasileiro durante um encontro com legisladores argentinos na Casa Rosada.

No mesmo discurso em que comunicava a sociedade eleitoral com Macri, Miguel Pichetto também defendeu endurecer as leis de imigração e reconstruir as Forças Armadas argentinas porque o país tem uma estrutura militar desmantelada. O vice de Macri quer dar um novo papel aos militares porque a ditadura já acabou.

"Este será um debate sobre qual lugar a Argentina vai ocupar no mundo, qual será o nosso modelo de crescimento, como integramos as Forças Armadas. São Forças Armadas da democracia. É preciso dar mais reconhecimento às Forças Armadas na sociedade. É preciso terminar com a lógica histórica de olhar a Argentina com a visão de 50 anos atrás. Falei sobre tudo isso com o presidente", disse Pichetto.


Sobre o mesmo assunto

  • Presidente Macri anuncia peronista como vice e acirra campanha contra Cristina Kirchner

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Visita de Bolsonaro à Argentina pode atrapalhar campanha de Macri

    Saiba mais

  • América Latina

    Greve geral na Argentina tem alta adesão, mas não é total

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.