Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/10 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Banco Central da Venezuela emite cédula com valor maior que o do salário mínimo

media Fachada do Banco Central da Venezuela (BCV), em Caracas. REUTERS/Marco Bello

O Banco Central da Venezuela (BCV) emitirá uma nova cédula que multiplica por 100 a atual de mais alto valor, informou o organismo nesta quarta-feira (12), em um novo reconhecimento da descontrolada espiral inflacionária.

Segundo o BCV, a partir de quinta-feira circularão novas cédulas de 10.000, 20.000 e 50.000 bolívares. Esta última passa a ser a de maior valor, frente aos de 500, e equivale a 8,10 dólares.

A nova nota de 50.000 supera o salário mínimo, de 40.000 bolívares (6,50 dólares), e dá para comprar cerca de dois quilos de carne. A nota de 500 bolívares não dá nem para comprar um ovo, que custa 900.

As novas cédulas integram o novo plano monetário que entrou em vigor no dia 20 de agosto, com cinco zeros a menos.

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a inflação chegou a 1.370.000% no ano passado e deve alcançar os 10.000.000% em 2019.

A incorporação das novas cédulas buscam "tornar mais eficiente o sistema de pagamentos e facilitar as transações comerciais", informou o BCV em um comunicado, indicando que serão emitidas "paulatinamente".

A medida é anunciada depois que, em 29 de maio, o BCV rompeu o silêncio estatístico de três anos para revelar a inflação de 2018 e que o PIB caiu à metade desde 2013, quando o presidente Nicolás Maduro assumiu o poder.

A Venezuela atravessa a pior crise de sua história recente, com escassez de produtos básicos e uma queda de sua vital produção de petróleo de 3,2 milhões de barris diários para cerca de um milhão na última década.

(Com informações da AFP)

 
O tempo de conexão expirou.