Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Bolsonaro no Texas, antes de encontrar Bush: estudantes brasileiros são “idiotas úteis”

media Estudantes protestam em Brasília contra cortes de verbas para a Educação, em 15 de maio de 2019. REUTERS/Adriano Machado

De Dallas, nos Estados Unidos, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro reagiu às manifestações no Brasil desta quarta-feira (15) contra o corte de verbas em universidades públicas. “São massa de manobra” e “não sabem a fórmula da água”, disse sobre os manifestantes, que protestaram em diversas capitais brasileiras.

Bolsonaro descaracterizou os protestos que aconteceram em várias cidades nesta quarta-feira e disse que são “militantes, uns idiotas úteis, uns imbecis”. “Uma minoria que compõe o núcleo de várias universidades”, continuou o chefe de Estado.

Segundo informações da imprensa brasileira, Bolsonaro primeiro afirmou que “não há cortes” na Educação, mas depois foi obrigado a admitir que, por causa da crise, teve que fazer o contingenciamento. Ele afirmou ainda que pegou o Brasil “economicamente destruído” e com “baixa arrecadação”.

Bolsonaro deve se reunir com o ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, durante 15 minutos em seu escritório e receberá amanhã uma homenagem de empresários da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

Ida controvertida aos Estados Unidos

Em Nova York, vários patrocinadores de um jantar de gala, onde o presidente brasileiro Jair Bolsonaro deveria receber esse mesmo prêmio -"Personalidade do Ano"-, na última quarta-feira (14), se retiraram do evento na última hora. Diversos ativistas fizeram pressão para que a premiação fosse cancelada, o que de fato aconteceu.

Na ocasião, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, afirmou que "Jair Bolsonaro acaba de aprender da maneira mais difícil que os nova-iorquinos não fecham os olhos para a opressão".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.