Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Maduro pede que militares lutem contra "golpistas" que apoiam Guiadó

media Os partidários do líder da oposição Juan Guaidó assistem a manifestação contra comemoração do Dia do Trabalho REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta quinta-feira (2) às Forças Armadas que lutem contra "qualquer golpista", após uma insurreição militar fracassada, liderada pelo líder da oposição, Juan Guaidó.

"Estamos em combate, com força total nessa luta para desarmar qualquer traidor ou golpista", disse Maduro em uma cerimônia da qual participaram milhares de soldados, transmitida pela televisão, em que o alto-comando militar reiterou sua lealdade. Repetindo o slogan "sempre leal, traidores nunca", o presidente disse que “ninguém pode ter medo, é hora de defender o direito à paz", declarou.

Segundo o governo, 4.500 soldados ouviram o discurso de Maduro depois do levante ocorrido na terça-feira (30) por um pequeno grupo de militares sob a liderança de Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países.

"A hora de lutar chegou. Chegou o momento de dar um exemplo para a história e para o mundo e dizer que, na Venezuela, há uma Força Armada leal, coesa, unida como nunca, antes derrotando tentativas de golpe de traidores que se venderam aos dólares de Washington", enfatizou Maduro. Nesta quarta-feira (1), Dia do Trabalho, milhares de venezuelanos foram às ruas para exigir a saída de Nicolás Maduro e apoiar Juan Guaidó. Houve violentos confrontos com a polícia e uma jovem morreu.

EUA podem ter superestimado Guaidó

Os Estados Unidos insistem que os dias do presidente Nicolás Maduro estão contados, mas Washington pode ter superestimado a força do líder da oposição. Na terça, Guaidó reivindicou o apoio de um grupo de " soldados corajosos" de uma base militar de Caracas que apoiaram a revolta. Em questão de horas, porém, Maduro sufocou os protestos que se seguiram nas ruas.

Neste domingo (28), o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, reafirmou que uma "ação militar é possível" na Venezuela. Washington já impôs medidas como duras sanções à companhia petroleira estatal (PDVSA), fonte de receita primordial para o governo de Maduro. O governo Trump aumentou sua “ofensiva psicológica” contra Maduro, apresentando-o como um líder fraco e dependente de seus aliados Rússia, Cuba e China.

Na terça, enquanto a rebelião perdia força, Pompeo surpreendeu ao afirmar que Maduro estava pronto para deixar a Venezuela rumo a Havana pela manhã, mas que a Rússia o teria dissuadido da decisão. A informação foi negada por Moscou e pelo presidente venezuelano. Um novo levante e uma vitória de Guiadó, entretanto, não foram descartados.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.