Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Proibição de pessoas trans nas Forças Armadas entra em vigor nos EUA

media Protesto em frente ao Capitólio, em Washington, contra a controversa proibição de pessoas trans nas forças armadas. ALEX WONG / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

Entra em vigor nessa sexta-feira (12) a proibição do alistamento de pessoas transgênero nas Forças Armadas dos Estados Unidos. A medida imposta pela administração do presidente Donald Trump é vista como um retrocesso, já que anula uma decisão tomada anteriormente pelo governo de Barack Obama.

O ex-presidente democrata havia autorizado, em 2016, a presença de recrutas em função de sua identidade de gênero. A decisão, que abria a porta para que milhares de militares pudessem se assumir, havia sido interpretada como um avanço em uma instituição conhecida por seu conservadorismo.

Mas Trump decidiu instaurar um novo regulamento no Pentágono. Segundo o texto, as pessoas trans deverão servir em função de seu gênero de nascimento. Os candidatos que se submeteram ou pretendem se submeter a um tratamento médico para mudança de sexo ou a cirurgia de redesignação sexual serão excluídos do processo de seleção. Aqueles que já foram incorporados correm o risco de ser expulsos.

Desde que a decisão de Trump foi anunciada, já em 2017, grupos de defesa de cidadãos homossexuais, lésbicas, bissexuais e transgêneros, como o Palm Center, denunciaram o que classificam de “perigoso retrocesso”. Eles lembraram que militares trans foram repetidamente elogiados tanto por seus superiores quanto por militares de países aliados desde 2016, quando puderam se assumir.

O Pentágono se defende e diz que não se trata de uma proibição das pessoas trans nas Forças Armadas. A instituição afirma, no entanto, que os transgênero sofrem de uma “disforia de gênero”, o que seria considerado uma patologia mental grave, que poderia afetar a eficiência no combate.

As pessoas trans sempre estiveram presentes entres os recrutas, mas até a medida imposta por Obama, todos deviam levar uma vida dupla, escondendo sua identidade de gênero. As Forças Armadas contam com 1.3 milhões de militares ativos e, segundo o Pentágono, cerca de 9 mil pessoas se identificariam como transgênero.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.