Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Guaidó é impedido de exercer cargo público por 15 anos

media Juan Guaido em Caracas, no dia 12 de março de 2019 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

O chefe do Parlamento venezuelano, Juan Guaidó, foi considerado inabilitado para ocupar cargos públicos durante 15 anos por suposta corrupção, anunciou nesta quinta-feira (28) a Controladoria Geral da Venezuela. O líder da oposição se autoproclamou presidente interino no começo de 2019.

A Controladoria Geral da Venezuela anunciou que vai "desativar o exercício de qualquer cargo público pelo prazo máximo estabelecido na lei", declarou o controlador do governo, Elvis Amoroso, por meio da televisão estatal. Em reação imediata, Guaidó declarou que rejeita a decisão. “Ele não é um controlador. E não existe nenhuma sanção”, disse o opositor, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cinquenta países.

Segundo Amoroso, em suas declarações patrimoniais, o chefe do parlamento não justifica gastos feitos no país e fora do território, com recursos supostamente vindos do exterior. "Ele fez mais de 91 viagens internacionais com um custo que ultrapassa 310 milhões de bolívares (cerca de US$ 94 mil), sem justificar a fonte de renda", afirmou o controlador. Amoroso também lembrou que, desde que assumiu o cargo de deputado, em 2016, Guaidó "ficou mais de 248 dias" ausente.

Suspeita de corrupção

A Controladoria Geral havia anunciado no dia 11 de fevereiro a abertura de uma investigação contra o opositor por receber financiamento internacional, o que caracterizaria um ato de corrupção. O Ministério Público foi acionado, além de um órgão fiscal, para inspecionar os hotéis onde Guaidó se hospedou na Venezuela. O líder da oposição também é acusado de "esconder ou falsificar dados contidos em sua declaração de patrimônio".

Responsável por monitorar a conduta dos servidores do Estado na Venezuela, a Controladoria tem o poder de aplicar sanções como multas ou torná-los inabilitados para o cargo. Personalidades da oposição, como o ex-candidato presidencial Henrique Capriles, foram submetidos a medidas semelhantes, o que os impediu de concorrer a cargos depois de eleitos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.