Ouvir Baixar Podcast
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/10 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Huawei e sua filial americana declaram não ter violado as sanções dos EUA contra o Irã

media EUA aumenta pressão para que países aliados parem de utilizar tecnologia da chinesa Huawei em suas infraestruturas REUTERS/Thomas Peter

A gigante chinesa de telecomunicações Huawei e sua subsidiária americana, a Huawei Devices USA, se declararam inocentes nesta quinta-feira (14) de treze crimes de fraude bancária e violação de sanções americanas contra o Irã perante um juiz federal em Nova York.

Na audiência não estavam presentes os advogados da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, nem da suposta filial não oficial da empresa chinesa no Irã, a Skycom Tech, acusada em janeiro do ano passado pela justiça americana no mesmo caso. "Estamos no processo de notificar a Skycom (das acusações), mas dada a publicidade do caso, provavelmente já sabem", disse o promotor David Kessler ao juiz.

O governo americano alega que a Huawei e suas duas subsidiárias fizeram negócios de milhões de dólares ligados ao Irã por meio de bancos americanos, violando as sanções contra Teerã e colocando em risco a segurança do país. Meng, filha do fundador da Huawei, é acusada de quatro crimes de fraude bancária por enganar bancos internacionais e o governo americano sobre a relação entre a Huawei e a Skycom. Ela foi presa em dezembro no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, onde está atualmente em liberdade condicional. Os Estados Unidos exigem sua extradição.

Em outro caso, em um tribunal do estado de Washington (oeste), as subsidiárias Huawei Device e Huawei Device USA se declararam recentemente inocentes de fraude e conspiração para roubar segredos comerciais da empresa americana T-Mobile entre 2012 e 2014.

Rede 5G

Os Estados Unidos tentam impedir que empresas americanas comprem equipamentos da Huawei e pressionam seus aliados a fazer o mesmo. Também proibiram a Huawei de participar da implantação em seu território da rede 5G, a quinta geração de redes móveis, porque acredita que a China poderia usar o equipamento do grupo para espionar outros países e interromper suas comunicações.

Nesta quarta-feira (13) o jornal The Wall Street Jornal afirmou que o governo dos EUA aumentou a pressão para que países aliados parem de utilizar tecnologia da chinesa Huawei em suas infraestruturas.

Segundo a publicação, o governo norte-americano pode parar de compartilhar informações de inteligência com a Alemanha caso o país europeu continue utilizando equipamentos da Huawei na implementação da sua futura rede 5G. Esses detalhes estavam em uma carta enviada pelo embaixador dos EUA para o ministro da economia alemão.

A China alega que se trata de um pretexto para impedir o desenvolvimento da empresa e impedir que os Estados Unidos sejam tecnologicamente superados.

A Huawei contra-atacou na justiça: este mês apresentou no Texas uma ação contra o governo americano por proibir a compra de seus equipamentos e serviços. Também pede indenização por danos e interesses e também acusa Washington de invadir seus servidores e roubar e-mails.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.