Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Ajuda dos EUA para Venezuela não é humanitária, afirma Cruz Vermelha

media População retira caixas do US Aid de caminhão incendiado na ponte Francisco de Paula Santander, entre Venezuela e Colômbia. REUTERS/Marco Bello

A Cruz Vermelha já havia anunciado que não pretendia participar da distribuição na Venezuela da ajuda vinda dos Estados Unidos. Para a organização, os carregamentos enviados por Washington vêm da parte de um governo e, por essa razão, não podem ser considerados como “ajuda humanitária”.

Desde 10 de fevereiro o Comitê da Cruz Vermelha se posicionou sobre a situação na Venezuela. O chefe da delegação da entidade na Colômbia, Christoph Harnisch, afirmou que não pretendia participar da iniciativa norte-americana de enviar carregamentos para o país latino americano.

“Para nós, não se trata de uma ajuda humanitária, e sim de uma ajuda decidida por um governo”, declarou, lembrando que sua instituição deve respeitar princípios de independência, imparcialidade e neutralidade.

Nessa segunda-feira (25), em entrevista publicada no site da revista colombiana Semana, Harnisch reforçou suas afirmações. Para ele, “infelizmente, a primeira vítima do que está acontecendo é a palavra ‘humanitária’, porque há um debate, há uma controvérsia pública, há uma manipulação deste termo por todas as partes”. Segundo o representante da Cruz Vermelha, “'humanitário' é algo que não deve ser controverso, deve ser do interesse do povo”.

Harnisch também preferiu não se posicionar em caso de uma eventual intervenção militar na Venezuela. “Isso é pura especulação”, declarou, alegando que mesmo se algo do gênero ocorra, as ONGs humanitárias precisam de um período de observação da situação antes de agir.

No entanto, o chefe da Cruz Vermelha local concorda que o êxodo provocado pela crise venezuelana é um dos mais graves do mundo. “Há uma migração de sírios que era muito mais importante em termos de número de pessoas. Mas nesse caso havia muitos mais países receptores. Aqui a concentração é de alguns países, dois ou três”. Além disso, lembra, as nações que recebem esses migrantes “não são países com um desenvolvimento industrial do mais alto nível. Na Europa, em alguns casos sim, mas isso não pode ser dito da Colômbia ou do Equador e do Peru”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.