Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Maduro declara alerta militar, fecha fronteiras, mas perde apoio de coronel com posto na ONU

media Ajuda humanitária para Venezuela é descarregada em Cúcuta, na Colômbia. REUTERS/Luisa Gonzalez

Em estado de alerta para evitar uma violação do território, as Forças Armadas da Venezuela fecharam nesta terça (19) sua fronteira marítima e aérea com Curaçao, ilha holandesa localizada a 50 quilômetros da costa. A ilha é um dos pontos por onde deveria entrar a ajuda humanitária armazenada em Brasil e na Colômbia, de acordo com os planos do opositor Juan Guaidó.

As autoridades venezuelanas determinaram o fechamento da fronteira marítima e aérea da Venezuela com Aruba, Bonaire e Curaçao, confirmou à AFP o comandante dessa região, almirante Vladimir Quintero.

O presidente Nicolás Maduro disse ter recebido nesta terça-feira (20) uma promessa de "lealdade" em reunião com "1.000 comandantes militares", realizada na véspera da mobilização convocada por Guaidó para acompanhar as brigadas de voluntários que vão buscar a ajuda humanitária nas fronteiras. Reconhecido por cerca de 50 países como presidente interino, Guaidó liderou uma discussão no Congresso, de maioria opositora, que aprovou a entrada da ajuda.

"As Forças Armadas permanecerão mobilizadas e em estado de alerta ao longo das fronteiras (...) para evitar qualquer violação da integridade do território", assegurou o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino. O general garantiu que os militares não vão se deixar "chantagear" e qualificou de "torrente de mentiras" que o presidente americano, Donald Trump, e Guaidó falem da "suposta ajuda humanitária" como um conflito entre as Forças Armadas e os venezuelanos.

Novo desfalque na ala militar

O coronel Pedro José Chirinos, assessor militar adjunto da Venezuela na ONU, se uniu ontem a vários militares que reconhecem Guaidó.

Hoje, o comandante máximo das Forças Militares da Colômbia, Luis Navarro, e do Comando Sul americano, Craig Faller, se reunirão em Miami para discutir sobre a ajuda que os Estados Unidos vão fornecer através da fronteira colombiana.

Cargas de remédios e alimentos enviadas por Washington continuam estocadas na cidade colombiana de Cúcuta, perto da ponte fronteiriça de Tienditas, bloqueadas por militares venezuelanos.

O Brasil, que vai instalar um centro de aprovisionamento no estado fronteiriço de Roraima, prepara uma operação para fornecer ajuda humanitária em "cooperação com o governo dos Estados Unidos", disse em Brasília o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros.

"Vão ter que passar por cima destes cadáveres"

Os venezuelanos carecem de comida e remédios, além de sofrerem com uma hiperinflação que o FMI projeta em 10.000.000% este ano. Fugindo da crise, 2,3 milhões de venezuelanos (7% da população) emigraram desde 2015, segundo a ONU.

Mas Maduro, que atribui a crise a sanções financeiras de Washington, chama a ajuda enviada pelos Estados Unidos de um "show" e de "migalhas" de "comida podre", que servirão de pretexto para uma invasão militar na Venezuela.

Em ato de graduação de médicos, transmitido pela TV estatal, o presidente desafiou Guaidó a convocar eleições "para derrubá-lo com votos". "Tem um palhaço por aí que diz ser presidente interino. Bom, se o senhor é presidente interino, a primeira coisa que tem que fazer ou que tinha que fazer, é convocar eleições. Por que não convocou?, perguntem vocês. Por que o pretenso e autoproclamado não convocou eleições?", indagou Maduro. "Por que não convoca eleições para derrubá-lo com votos do povo? Convoque eleições, senhor autoproclamado, senhor palhaço", insistiu.

Trump não descarta uma ação militar na Venezuela e na segunda-feira advertiu os militares que continuam apoiando Maduro que "não encontrarão um refúgio". "Vão perder tudo", ameaçou.

"Não vão poder passar pelo espírito patriótico das Forças Armadas pela via da força para impor um governo fantoche, entreguista e antipatriótico, não vão conseguir. Vão ter que passar por cima destes cadáveres", respondeu o general Padrino.

Cuba negou nesta terça-feira o que qualificou de "infame" acusação dos Estados Unidos sobre a presença de tropas cubanas na Venezuela para apoiar Maduro e insistiu em que Washington prepara "uma ação militar com pretexto humanitário".

Guaidó, que diz esperar que os brigadistas aumentem de 700.000 para 1 milhão, enviou nesta terça-feira mensagens no Twitter a cada líder militar destacado em postos fronteiriços para pedir-lhes que deixem a ajuda passar. 

Ajuda europeia

Antes da sessão parlamentar, Guaidó se reuniu com os embaixadores de França, Reino Unido, Itália, Espanha e Alemanha, e organizações não governamentais. Nos arredores do Congresso, os embaixadores anunciaram uma ajuda de seus países da ordem de mais de US$ 18 milhões, além do envio de 70 toneladas de remédios e alimentos da França.

"A França estará à altura deste desafio e desta fraternidade com o povo da Venezuela", disse o embaixador Romain Nadal, que prometeu mais ajuda.

Guaidó marcou para a entrada da ajuda no país o dia em que completa um mês de sua autoproclamação como presidente interino, depois que o Congresso declarou Maduro um "usurpador" do poder devido à falta de transparência nas eleições de maio passado.

Na véspera será realizado em Cúcuta um concerto com artistas internacionais, ao qual assistirão os presidentes Iván Duque (Colômbia) e Sebastián Piñera (Chile) - a quem Maduro acusou nesta terça-feira de incitar o "assalto" à fronteira da Venezuela com a chegada prevista da ajuda no sábado.

O show tem como objetivo arrecadar US$ 100 milhões em 60 dias, que se somarão aos mais de US$ 110 milhões reunidos em semanas anteriores. O músico britânico Roger Waters, um dos fundadores do mítico grupo de rock Pink Floyd, criticou este show, organizado por seu compatriota, o bilionário Richard Branson, tachando a ajuda de um "truque".

Para contrabalançar este concerto, o governo anunciou outros dois nos dias 22 e 23 de fevereiro na ponte Simón Bolívar, que liga Cúcuta à cidade venezuelana de San Antonio, para denunciar "a agressão brutal" que a Venezuela sofre. Maduro, que também enviará a Cúcuta alimentos e cuidados médicos gratuitos, anunciou que nesta quarta-feira vão chegar ao país 300 toneladas de remédios comprados dos russos, depois das 933 toneladas que entraram na semana passada, vendidas por China, Rússia e Cuba.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.