Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Maduro pede a militares plano de mobilização na fronteira com a Colômbia

media Nicolás Maduro diz que Trump e Duque se reuniram para tratar de "planos de guerra" contra a Venezuela. Miraflores Palace/Handout via REUTERS

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, convocou nesta sexta-feira (15) os militares a prepararem um "plano especial" para proteger a fronteira do país com a Colômbia, diante do que denunciou como "planos de guerra" dos governos dos presidentes americano, Donald Trump, e colombiano, Iván Duque, para tirá-lo do poder.

Em um ato com o alto comando das Forças Armadas, Maduro pediu para que sejam avaliadas "quais novas forças" são necessárias para que a fronteira da Venezuela com a Colômbia seja "inviolável, imbatível, inexpugnável". "Isso é para já", afirmou.

Maduro justificou a declaração lembrando que Trump e Duque anunciaram "planos de guerra contra a Venezuela" em reunião na Casa Branca na quarta-feira (13). Na ocasião, Trump reafirmou que considera "todas as opções" diante da crise na Venezuela e advertiu que Maduro comete um "erro terrível" ao impedir a entrada de ajuda humanitária no país.

Mais cedo nesta sexta, Maduro qualificou de "migalhas" de "comida podre" a ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos a pedido do opositor Juan Guaidó, reconhecido por 50 países como presidente interino. "É uma armadilha, fazem um show com comida podre e contaminada", assegurou Maduro, durante um ato em Ciudad Bolívar, sudeste da Venezuela, reiterando que os Estados Unidos querem invadir militarmente a Venezuela.

Apesar das críticas, as Forças Armadas americanas vão transportar cerca de 200 toneladas de ajuda humanitária para a Colômbia em um avião de carga C-17, informou uma fonte anônima do Departamento de Defesa dos EUA.

Mike Pence pressiona europeus

Em visita à Alemanha, neste sábado (16), o vice-presidente americano, Mike Pence, exortou a União Europeia (UE) a reconhecer o opositor Juan Guaidó como chefe de Estado interino da Venezuela, enquanto vários países da UE ainda bloqueiam essa posição comum. "Convocamos hoje a UE a assumir suas responsabilidades em nome da liberdade e a reconhecer Juan Guaidó como o único presidente legítimo da Venezuela", disse ele, martelando que Maduro "deve sair".

"Guerra da oligarquia"

O presidente socialista culpou a "guerra da oligarquia" e as sanções de Washington, que congelaram contas e ativos venezuelanos, pela escassez de alimentos e remédios que afeta o país. Caracas cifra em US$ 30 bilhões o dano à economia causado pelas sanções.

"Agora eles têm a história da ajuda humanitária. Nos roubam US$ 30 bilhões e oferecem quatro migalhas de comida podre", reiterou o governante.

Maduro assegurou que seu governo entrega caixas de alimentos a preços subsidiados para seis milhões de famílias, e que esta semana comprou 933 toneladas de medicamentos e insumos médicos da China, de Cuba e da Rússia. "Pagamos com nosso dinheiro porque não somos mendigos de ninguém", assinalou.

Um carregamento de remédios e alimentos está armazenado desde 7 de fevereiro em Cúcuta (Colômbia), na fronteira com a Venezuela, perto de uma ponte bloqueada por militares venezuelanos com contêineres e uma cisterna.

Guaidó assegura que essa assistência entrará de qualquer maneira no país até 23 de fevereiro, quando completará um mês que ele se autoproclamou presidente interino depois de o Congresso – de maioria opositora - declarar Maduro "usurpador" e denunciar sua reeleição como "fraudulenta".

Maduro acusou o opositor de 35 anos de ser um "fantoche" de Trump e um "Judas", por pretender "que o império americano invada e ocupe militarmente" o país e "se apodere" das riquezas petroleiras e do ouro da Venezuela. "Isso se chama traição à pátria (...) O pior é estimular a loucura imperial de um governo extremista da Ku Klux Klan que está à frente da Casa Branca", declarou.

Assessores de Guaidó anunciaram na quinta-feira (14), na sede da Organização dos Estados Americanos (OEA) terem recolhido nas últimas três semanas mais de US$ 100 milhões em ajuda à Venezuela. O país atravessa uma grave crise que já  provocou o êxodo de cerca de 2,3 milhões de venezuelanos desde 2015, segundo a ONU.

Maduro reiterou que acredita no "diálogo como a fórmula mágica" para resolver a crise venezuelana e disse esperar a convocação de uma negociação em virtude dos esforços de México, Uruguai e dos países caribenhos do Caricom.

Guaidó disse que não participará de um diálogo "falso", depois de acusar o governo de ter ganhado tempo com negociações anteriores.

Reuniões secretas em Nova York

Apesar do acirramento das tensões, Maduro revelou, nesta sexta, que seu chanceler Jorge Arreaza se reuniu duas vezes com o representante especial norte-americano para a Venezuela recentemente em Nova York. "Fizemos duas reuniões com o senhor Elliott Abrams em Nova York", disse Maduro à agência AP.

Ele reafirmou sua disposição a se reunir com Abrams. "Convidei Elliott Abrams a vir à Venezuela. Em particular, publicamente ou secretamente. Diga onde, quando e como e eu vou", declarou.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse nesta sexta que o fato de Maduro "ter dito publicamente que deseja conversar com os Estados Unidos não é novo". No entanto, acrescentou Pompeo, "mostra que ele está entendendo cada vez mais que o povo venezuelano está rejeitando seu modelo e que o presidente interino, Guaidó, é ao mesmo tempo o líder constitucional daquele país e que liderará a Venezuela e seu povo rumo a eleições livres" e a uma recuperação econômica.

Nesta sexta, o presidente da Colômbia, Iván Duque, pediu, em discurso na sede da OEA, "que o cerco diplomático se intensifique e se fortaleça, que se convide de forma clara os membros das Forças Armadas da Venezuela a apresentarem sua lealdade à Assembleia Nacional e ao presidente Guiadó e que sejam concedidas as garantias para que deixem o povo venezuelano falar com tranquilidade". "Denunciar os abusos dessa ditadura é um dever à luz do sistema interamericano (...). Se mantivermos silêncio e não falarmos, seremos cúmplices daquela horrenda ditadura", afirmou.

Duque falou horas antes de uma sessão extraordinária do Conselho Permanente da OEA para analisar a situação na Venezuela. Durante a sessão, especialistas da OEA advertiram que realizar novas eleições nesse país "levará tempo" e apontaram como condição imprescindível que Maduro deixe o poder.

Os técnicos da OEA também afirmaram que o organismo pode garantir eleições transparentes na Venezuela. "Não é possível realizar eleições com o sistema eleitoral nas condições atuais, e repará-lo levará tempo", disse Francisco Guerrero, secretário de Fortalecimento da Democracia da OEA, acrescentando que a saída de Maduro "é uma condição 'sine qua non'".

Brenda Santamaría, chefe da Seção de Observação Eleitoral da OEA, destacou que uma vez convocadas novas eleições no âmbito de um governo de transição, é possível implementar na Venezuela uma missão "que acompanhe todo o processo". "A OEA poderia gerar as condições mínimas que garantam que os venezuelanos expressem sua vontade", afirmou.

Duque prometeu a Guaidó, durante uma videoconferência, que o apoiará de "forma decidida" para que a ajuda humanitária enviada pelos EUA entre na Venezuela. "Estamos com vocês (...). Estaremos atentos para ajudar de forma decidida para que a ajuda humanitária chegue a Venezuela", disse Duque em uma breve videoconferência difundida publicamente, ao vivo, através da rede social Instagram.

O presidente colombiano de direita pôs à disposição de Guaidó "o território colombiano, a cidade de Cúcuta e outras cidades do país" para "que chegue a ajuda humanitária". Também ofereceu apoio "logístico" e disse que administrará o apoio da OEA.  

Com informações das agências internacionais

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.