Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Papa descarta mediar crise na Venezuela e diz que Maduro não cumpriu promessas

media Papa Francisco declinou pedido de mediação feito por Maduro, mas não se pronunciou sobre reconhecimento de Guaidó REUTERS/Max Rossi

Um documento vazado pela imprensa italiana nesta quarta-feira (13) revela que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu uma mediação do papa Francisco na crise atual que enfrenta o país latino-americano. Em reposta, o sumo pontífice recordou que, no passado, o líder venezuelano não cumpriu os compromissos estabelecidos.

A correspondência, datada de 7 de fevereiro e enviada pelo papa argentino, não foi confirmada nem negada pelo porta-voz interino do Vaticano, Alessandro Gisotti, que assegurou que se trata de "uma carta caráter privado".

No entanto, uma foto com o cabeçalho da correspondência foi publicada pelo jornal italiano Il Corriere della Sera, que traz alguns trechos da mensagem enviada por Francisco. No documento é possível ler, escrito em espanhol, que a carta é dirigida a Sua Excelência o Sr. Nicolás Maduro e não ao presidente – como se faz habitualmente ao se comunicar com um chefe de Estado.

"Infelizmente todas as tentativas (de mediação) foram interrompidas porque o que foi decidido nas reuniões não foi seguido por gestos concretos para alcançar os acordos", lamenta o papa argentino na carta, segundo o resumo do jornal. O papa lembra na correspondência que o Vaticano esteve envolvido no passado, sem sucesso, em outras tentativas de mediação e adverte Maduro, com um tom elegante, que, embora sempre tenha apoiado o diálogo, exige que essa conversa tenha como objetivo, "acima tudo, o bem comum".

No início de fevereiro, o presidente venezuelano disse que escreveu ao sumo pontífice pedindo a sua ajuda e mediação. "Enviei uma carta ao papa Francisco. Disse a ele que estou a serviço da causa de Cristo (...) e nesse espírito peço sua ajuda, em um processo de facilitação e reforço do diálogo", segundo afirmou. "Peço ao papa para fazer seus melhores esforços, para colocar sua vontade, para nos ajudar no caminho do diálogo, espero receber uma resposta positiva", disse Maduro.

Papa não se pronuncia sobre reconhecimento de Guaidó

O artigo do Il Corriere della Sera é assinado pelo jornalista Massimo Franco, próximo do pontífice. Segundo ele, na carta o papa não se pronuncia sobre o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, assunto sobre o qual mantém uma posição "prudente". "Além da cautela diplomática, a opinião de Francisco e de seus conselheiros sobre Maduro é negativa", resumiu Franco.

O jornalista recorda que o grande temor do primeiro papa latino-americano é que a crise se degenere em um "derramamento de sangue", como destacou na carta, e não exclui que "estenda a mão", embora avisando que "não vai deixar ser usado pelo regime".

 (Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.