Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/04 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Grupo de Contato Internacional decide enviar missão à Venezuela para avançar com processo eleitoral

media Grupo se reuniu para debater saída da crise na Venezuela REUTERS/Adriana Loureiro

O Grupo de Contato Internacional anunciou nesta quinta-feira (5) que enviará uma missão técnica à Venezuela para avançar com o processo eleitoral como solução pacífica para sair da crise no país. Os países do bloco também querem explorar a melhor forma possível de enviar ajuda humanitária.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O Grupo de Contato Internacional anunciou nesta quinta-feira (5) que enviará uma missão técnica à Venezuela para avançar com o processo eleitoral como solução pacífica para sair da crise no país. Os países do bloco também querem explorar a melhor forma possível de enviar ajuda humanitária ao país.

A missão fará contato com os mais relevantes atores sociais e políticos da Venezuela, como forma de criar as condições para um processo eleitoral que garanta eleições livres, justas e transparentes. O processo deverá ser inclusivo, sem excluir ninguém que queira participar. Isso implica a libertação dos presos políticos do regime do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Devido ao agravamento da situação humanitária na Venezuela, a missão técnica terá a finalidade de avaliar a melhor forma para enviar ajuda ao país. A Bolívia, país alinhado com Maduro, exigiu que, antes disso, os países europeus retirem as sanções econômicas e financeiras impostas à Venezuela.

Na declaração final do grupo, ficou estabelecido que os países rejeitam o uso da violência, seja interna ou externa, para justificar uma solução. Em outras palavras, o bloco rejeita uma intervenção militar na Venezuela, bem como uma ação de Nicolás Maduro contra os opositores ou contra a população.

Grupo voltará a reunir-se no começo de março, sem data nem local definidos

A Bolívia deixou de participar de uma das declarações Grupo de Contato Internacional e, em outro momento, propôs um texto sozinha. O país também votou em desacordo com pontos cruciais do grupo.

A declaração final estabelece que a solução para o impasse político na Venezuela passa pela restauração da democracia na Venezuela em sua plenitude, incluindo o respeito por todos os poderes da Assembleia Nacional, democraticamente eleita. Nesse ponto, a Bolívia também é contra a imposição de condições e defende que essa saída deva ser decisão do povo venezuelano.

No grupo, há sete países que reconheceram o opositor Juan Guaidó como presidente interino e o indicado para convocar eleições (Portugal, França, Reino Unido, Alemanha, Espanha Holanda e Suécia). A Itália é o único europeu que não reconheceu o chefe do Parlamento venezuelano.

Entre os quatro latino-americanos, dois países (Costa Rica e Equador, que pertencem ao Grupo de Lima, do qual o Brasil faz parte) reconhecem Guaidó. O uruguai se anuncia como "neutro" e a Bolívia está alinhada com o regime de Nicolás Maduro. "Essa composição plural do grupo é importante para que os contatos se façam com todos", defendeu o chanceler português, Augusto Santos Silva.

Diego Pary, chanceler boliviano, explicou que seu país quer um diálogo sem condicionamentos. "A Bolívia quer um diálogo sem condições. Quem deve definir o que vão debater e o que discutir devem ser os venezuelanos. São os venezuelanos que devem resolver qual é o caminho", argumentou Parcy, afastando a obrigatoriedade da via eleitoral. "A Bolívia rejeita qualquer ameaça de intervenção militar porque a América Latina é um continente de paz. Jamais vamos permitir uma intervenção militar num povo irmão", acrescenta Parcy.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.