Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Secretário do Interior considerado antiético e fã de botas de caubói deixa governo Trump

media O secretário do Interior dos EUA, Ryan Zinke, deixará o cargo no fim do ano. ®Shawn Thew/Pool via REUTERS

Donald Trump anunciou neste sábado (15) que o seu secretário do Interior, Ryan Zinke, deixará o cargo no fim do ano, a mais recente baixa em um governo marcado por mudanças desde que o magnata republicano assumiu a presidência dos Estados Unidos. Zinke foi responsável pela aplicação da política climática no país, mas teve decisões contestadas pela oposição democrata.

"O secretário do Interior, @RyanZinke, deixará a administração no final do ano depois de ter prestado serviços por um período de quase dois anos", escreveu Trump no Twitter. "Ryan conseguiu muito durante o seu mandato e quero agradecê-lo por seu serviço ao nosso país", disse o presidente, acrescentando que seu substituto será anunciado na próxima semana.

O secretário do Interior é responsável por supervisionar a conservação e extração de minérios em terrenos públicos que, somados, seriam maiores que um país como o México. Ele estava há várias semanas sob pressão da oposição democrata, alvo de denúncias e investigações relacionadas com problemas éticos em sua gestão.

Segundo relatos, seu departamento estava prestes a pagar quase US$ 139 mil para melhorar as portas de seu escritório, um custo que teria sido negociado mais tarde e caído para US$ 75 mil. Ele também enfrentou críticas por custosos voos de helicóptero da polícia que, no ano passado, permitiram que ele voltasse a Washington para cavalgar com o vice-presidente Mike Pence.

Zinke vinculou sua saída a uma onda de acusações falsas. "Não posso justificar o gasto de milhares de dólares defendendo a mim e a minha família de acusações falsas. É melhor que o presidente e o Departamento do Interior se concentrem nas conquistas, em vez de responder a acusações falsas", publicou no Twitter.

"Ryan Zinke foi um dos membros mais tóxicos do gabinete pela forma como tratou nosso ambiente, nossas preciosas terras públicas, e pela forma como tratou o governo como se fosse seu", disse o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

A democrata Nancy Pelosi, futura presidente da Câmara dos Representantes, também o atacou duramente: "O secretário Zinke tem servido descaradamente a determinados interesses", afirmou em comunicado. "Seus abusos éticos assombrosos foram um golpe sério e duradouro nas terras públicas, no meio ambiente, no ar puro e na água limpa dos Estados Unidos", criticou.

Mais um

Assim como o primeiro chefe da Agência Ambiental dos Estados Unidos da era Trump, Scott Pruitt, que renunciou em julho, em meio a uma série de escândalos por falhas éticas e gastos excessivos, Zinke apoiou o projeto do presidente de reduzir drasticamente as leis ambientais e expandir a produção de energia.

O anúncio acontece uma semana depois que a partida iminente de outra autoridade do alto escalão, a do chefe de gabinete da Casa Branca John Kelly, foi divulgada.

Na sexta-feira (14), Trump escolheu Mick Mulvaney, diretor do Escritório de Administração e Orçamento, para preencher o cargo de Kelly. Mulvaney será a terceira pessoa a ocupar o posto desde a posse de Trump. Uma série de importantes funcionários deixou a Casa Branca sob o comando do republicano, incluindo um secretário de Estado, dois conselheiros de Segurança Nacional, um procurador-geral e o chefe da Agência Ambiental.

Zinke, antigo SEAL da Marinha que ia para o trabalho com botas de caubói e tinha uma reputação de arrogância, parecia imitar Trump quando criticado, escolhendo o ataque como uma forma de defesa.

No mês passado, quando um congressista democrata disse que era hora de fazer mudanças em sua pasta, ele sugeriu em um tuite que seu crítico tinha problemas com a bebida. "É difícil para ele pensar claramente do fundo da garrafa", escreveu ele, um comentário que para muitos em Washington supunha que Zinke havia cruzado uma linha vermelha.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.