Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Milhares de centro-americanos deixam capital mexicana em direção aos EUA

media Migrantes centro-americanos se acumulam em vários acampamentos pelo México enquanto esperam para tentar entrar nos Estados Unidos. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Cerca de 5 mil centro-americanos saíram da Cidade do México em sua caravana migrante na manhã deste sábado (10), retomando seu longo trajeto em direção aos Estados Unidos. Militares norte-americanos já foram mobilizados para tentar conter o grupo.

A caravana partiu em 13 de outubro da hondurenha San Pedro Sula e já percorreu mais de 1.500 km. Dias mais tarde, uniram-se a ela pelo menos outras duas caravanas, desafiando as ameaças do presidente americano, Donald Trump, que as classifica como "invasão" e ordenou a mobilização de milhares de soldados para reforçar sua fronteira com o México e impedir sua passagem.

Entre espirros e tosse, os migrantes levantaram o acampamento, no qual pernoitaram por seis noites, em um parque esportivo na zona leste da capital. "Pegamos frio por dormir a céu aberto e, por isso, agora estamos doentes. As crianças pegaram piolho. Nem sempre temos água para tomar banho", disse à Adamari Correa, guatemalteca que viaja com sua irmã e seus sobrinhos.

Metrô abriu as portas mais cedo para transportar migrantes

Com crianças tomando mamadeira nos braços, ou no carrinho, e outros pequenos andando de pijamas, os centro-americanos exaustos se organizaram em uma fila interminável para entrar em grupos no metrô da capital – que abriu as portas uma hora antes para poder transportar os migrantes para o estado vizinho no México, onde seguirão a pé o caminho até Querétaro (norte).

"Não quero andar, mamãe!", queixava-se uma menina, enrolada em um cobertor. Sua mãe esperava na fila com um colchão nas costas e dois sacos grandes em cada mão. Alguns carregavam um lanche que consistia de um pão, uma futa e um suco.

Ao todo, cinco trens com cerca de mil migrantes a bordo de cada foram usados, sob vigilância de em torno de mil policiais, segundo cálculo das autoridades responsáveis pelo metrô.

Na sexta-feira, um grupo de cerca de 1.300 migrantes tomou o mesmo rumo, usando também o metrô. "Estamos doentes por causa das mudanças de temperatura, mas determinados a atingir a fronteira (com os Estados Unidos) e além", disse Wilson Alexander Mejía, um trabalhador hondurenho de 27 anos que viaja sozinho.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.