Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Três milhões de venezuelanos deixaram o país desde 2015, segundo a ONU

media Centro de acolhimento de migrantes venezuelanos em Lima, no Peru. 31 de Agosto de 2018. CRIS BOURONCLE / AFP

Cerca de três milhões de venezuelanos fugiram de seu país para escapar da violência e da falta de medicamentos desde 2015, segundo anúncio desta quinta-feira (8) das Nações Unidas.

O êxodo, estimado em 2,6 milhões de pessoas apenas no início de 2018, acelerou-se ainda mais nos últimos seis meses, declarou William Spindler, do Escritório do Alto Comissariado para os Refugiados (ACNUR), em uma declaração conjunta com a agência da ONU para Migração (IOM).

A Colômbia e o Peru continuam sendo os principais países de acolhimento dos refugiados venezuelanos. Apenas a Colômbia hospeda um milhão de venezuelanos, seguida do Peru (500.000) e Equador (220.000). Chile, Argentina e Brasil recebem cerca de 100.000 venezuelanos, assim como o Panamá na América Central.

Segundo Bogotá, cerca de 3.000 pessoas cruzam todo dia a fronteira entre a Venezuela e a Colômbia.

"Os países da América Latina e do Caribe mantiveram sua política louvável de portas abertas para refugiados e migrantes da Venezuela; no entanto, sua capacidade de recepção está no limite, o que requer uma resposta mais robusta e imediato da comunidade internacional para continuar esta política de generosidade e solidariedade", comentou Eduardo Stein, Representante Especial da ACNUR-IOM para os refugiados venezuelanos.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e outros funcionários, rejeitam os números da ONU, dizendo que se trata de uma notícia falsa e alarmista, destinada a justificar uma intervenção estrangeira nos assuntos internos da Venezuela.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.