Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Navio humanitário chinês é um “presente maravilhoso” para venezuelanos

media Navio Arco da Paz está atracado em Guaíra, a cerca de 30 km de Caracas REUTERS/Manaure Quintero

Quase uma semana após ter atracado no porto de Guaíra, a cerca de 30 km de Caracas, o navio humanitário chinês “Arco da Paz” não para de receber pacientes. A embarcação, que dispõe de infraestrutura hospitalar e equipes de médicos a bordo, acolhe os venezuelanos em um contexto de penúria no país, provocada pela crise política e econômica.

Julien Gonzalez, correspondente da RFI na Venezuela

O navio-hospital de 178 m de comprimento, que atracou no sábado (22), possui 500 leitos e 35 unidades de tratamento intensivas, além de 12 salas de operação. Esse tipo de infraestrutura médica é praticamente inacessível atualmente para boa parte da população do país, que assiste a um êxodo histórico de médicos e enfermeiros, desde o início da crise. A Federação farmacêutica da Venezuela registra uma penúria de cerca de 85% dos medicamentos.

“Eu fiquei sabendo da chegada do barco graças ao meu filho, que viu a informação na internet. Para mim, esse navio é o presente mais maravilhoso que poderíamos receber”, comenta Zaida, uma venezuelana que espera na fila para ser atendida gratuitamente por um dos médicos a bordo. Moradora de Barinitas, ela viajou mais de 700 km de ônibus, com uma fratura no joelho.

Mesmo se alguns reclamam da espera, a presença dos chineses é saudada pela população. Como Katiusa, que saiu satisfeita após o atendimento. “Eles cuidaram bem de mim. São bons médicos. Um doutor chinês me examinou e um militar traduzia o que ele dizia”, relata a jovem ao deixar o barco carregando um saco plástico com uma radiografia da coluna e uma caixa de medicamentos.  

O ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino López, vê na presença do navio uma “verdadeira demonstração de diplomacia”. Para ele, a operação mostra a importância da cooperação entre Venezuela e China, um dos principais países aliados de Caracas. A missão do “Arco da Paz” acontece pouco depois de uma viagem oficial de Nicolás Maduro a Pequim.

O barco permanece atracado na região até o próximo sábado (29).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.