Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Presidente cubano apoia casamento gay em nova Constituição

media O presidente cubano Miguel Díaz-Canel em Santa Clara, Cuba, em 11 de Março de 2018. Alejandro Ernesto / POOL / AFP

O presidente cubano, Miguel Diaz-Canel, disse neste domingo (16) que defende a inclusão do casamento entre pessoas do mesmo sexo na nova Constituição do país, atualmente em discussão em Cuba.

"Eu concordo, acho que reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo, sem limitações, resolve o problema de eliminar todos os tipos de discriminação na sociedade", disse o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, em entrevista ao canal Telesur, neste domingo (16).

Os cubanos começaram a debater um esboço de nova Constituição em meados de agosto, que reconhece a propriedade privada e abre caminho para a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma das principais demandas da comunidade LGBT da ilha. .

No entanto, a possível aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo é fortemente contestada pela Igreja Católica local. "Não posso trazer preconceitos para o debate popular nesta questão”, garantiu o presidente cubano antes de anunciar, pela primeira vez, sua opinião pessoal sobre o assunto.

Exclusão de homossexuais durante período castrista

A deputada Mariela Castro, filha do ex-presidente Raul Castro e diretora do Centro Nacional de Educação Sexual (Cenesex), vem defendendo os direitos das mulheres e a comunidade LGBT há anos. Na esteira da revolução de Castro em 1959, minorias sexuais foram estigmatizadas e os homossexuais assediados ou mesmo enviados para campos de "reeducação". Uma política de marginalização foi então aplicada para excluí-los do serviço público.

Em 2010, Fidel Castro reconheceu as "injustiças" cometidas contra os homossexuais que forçaram o exílio de muitos intelectuais e artistas nos anos 1960, 1970 e 1980.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.