Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Ortega nega repressão violenta contra opositores e rejeita apelo de eleições antecipadas

media Daniel Ortega: "Estou disposto a conversar com Trump". France 24/Captura de vídeo da entrevista

Daniel Ortega, presidente da Nicarágua, concedeu uma entrevista exclusiva à TV France 24, do grupo France Médias Monde, do qual faz parte a RFI. A Nicarágua está mergulhada em uma grave crise há cinco meses. Ortega nega ter comandado uma sangrenta repressão contra as manifestações que enfrenta desde 18 de abril e não aceita os pedidos de eleições antecipadas.

Segundo organizações de defesa dos direitos humanos, mais de 320 pessoas foram assassinadas nos últimos meses em protestos contra o governo sandinista. Manágua só admite 198 mortes.

Interrogado sobre o recente relatório do Alto Comissariado dos Direitos Humanos da ONU sobre as violações cometidas entre 18 de abril e 18 de agosto, o presidente Ortega disse se tratar de uma “infâmia”.

O documento da ONU cita “execuções extrajudiciais”, “desaparecimentos forçados” e ainda “tortura e maus tratos”. O presidente nicaraguense denuncia uma “tendenciosidade política” e afirma que o organismo da ONU está sob ordens de Washington. Ele nega com veemência que a polícia ou paramilitares pró-governo tenham cometido crimes, acrescentando que nenhum policial responde a um inquérito.

Ameaça americana

O presidente da Nicarágua acusa ainda os Estados Unidos de alimentar um “golpe de Estado” contra o seu país. Ele afirma que a CIA treinou e financiou “grupos militares” para tentar depô-lo e não exclui a possiblidade de uma intervenção por parte dos americanos. “Vindo dos Estados Unidos, tudo é possível”, afirmou.

Milhares de pessoas foram novamente às ruas no domingo (9), em Manágua, para exigir a libertação de “presos políticos” e a saída de Ortega, no poder desde 2007. O presidente assegura que a situação está normalizada e diz que está em discussão com a ONU e países europeus, como a Alemanha e a Espanha, para relançar um diálogo, atualmente inexistente.

O ex-guerrilheiro aproveita para acusar a Igreja católica nicaraguense, que é mediadora da crise, de estar do lado da oposição, acusando-a também de receber ordens de Washington.

Assembleia Geral da ONU

Ortega, que já foi presidente da Nicarágua entre 1979 e 1990, não aceita os apelos para a realização de eleições antecipadas antes do final de seu mandato em 2021, principal reivindicação dos opositores, e não exclui brigar por um novo mandato. “O pleito antecipado seria um desastre para a Nicarágua”, diz, ao mesmo tempo em que pede “a defesa do respeito às instituições”.

Daniel Ortega anunciou ainda, pela primeira vez em vários anos, que pretende ir à Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, que abre no dia 25 de setembro, e se diz pronto a se encontrar com o presidente americano, Donald Trump. “Acho que o princípio do intercâmbio e diálogo entre uma potência como os Estados Unidos e a Nicarágua, e, de uma forma mais ampla, toda a América Latina, é necessária e imprescindível”, afirmou. Para ele, a Assembleia Geral da ONU pode ser a ocasião ideal para isso.

(com informações da France24)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.