Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 11/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 11/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Tribunal de Haia anula condenação de Chevron por poluir a Amazônia equatoriana

media Refinaria Pascagoula, da Chevron, em Mississippi, nos Estados Unidos. REUTERS/Jonathan Bachman

O Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia anulou a condenação imposta pela justiça do Equador à companhia petrolífera americana Chevron por danos ambientais na Amazônia. A empresa havia sido condenada a pagar US $ 9,5 bilhões. "O Tribunal determinou que o Equador é responsável por denegação de justiça e ordenou que anulasse a sentença" contra a companhia, indicou a procuradoria equatoriana em um comunicado divulgado na sexta-feira (7).

O órgão aceitou a ação movida pelo escritório de advocacia que defende a empresa, segundo a qual a defesa dos demandantes "prometeram dinheiro" a um juiz equatoriano "em troca do direito de elaborar partes substanciais" da decisão.

"Preocupa-nos o fato de um tribunal pedir a um Estado que anule a sentença de um tribunal nacional proferida em um caso entre partes privadas", reagiu o procurador-geral do Equador, Íñigo Salvador. Em uma coletiva de imprensa, ele acrescentou que o tribunal internacional ainda não definiu uma multa para a Chevron. "O procurador está analisando cuidadosamente o laudo e avaliando a possibilidade de impugnar partes ou a totalidade do laudo".

A Chevron assumiu o caso em 2001 ao adquirir a Texaco, empresa que operou no Equador entre 1964 e 1990. A companhia acionou o Tribunal de Haia em 2009, alegando denegação de justiça e argumentando que o governo equatoriano já havia eximido o grupo de responsabilidade pela poluição ambiental.

 
O tempo de conexão expirou.