Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Michelle Bachelet é nomeada alta comissária dos Direitos Humanos da ONU

media Torturada pela ditadura pinochetista, Michelle Bachelet entrou para a história como a primeira mulher a presidir o Chile. SEBASTIAN RODRIGUEZ / AFP

A Assembleia Geral da ONU confirmou nesta sexta-feira (10) o nome de Michelle Bachelet como nova alta comissária dos Direitos Humanos. A ex-presidente do Chile vai substituir o jordaniano Zeid Ra'ad Al Hussein.

Em nome da América Latina e do Caribe, o embaixador argentino na ONU, Martín García Moritán, comemorou na assembleia a escolha "de uma mulher altamente competente para este desafiante papel" e destacou "seu compromisso, sua experiência e paixão".

Primeira presidenta do Chile, Bachelet, de 66 anos, ficou conhecida por ser uma enérgica defensora dos direitos das mulheres. Filha de um militar que se opôs à derrubada do presidente socialista Salvador Allende e morreu após ser torturado na ditadura de Augusto Pinochet, ela foi presa e torturada em 1975, antes de partir para o exílio – primeiro na Austrália e, depois, na Alemanha Oriental.

Pediatra de profissão e especialista em Saúde Pública, após o retorno da democracia no Chile, em 1990, Bachelet foi ministra da Saúde, da Defesa e, finalmente, duas vezes presidente. Esteve no cargo até março passado, quando, pela segunda vez, entregou o governo ao conservador Sebastián Piñera. A ex-presidente também foi a primeira diretora da ONU Mulheres, a agência da organização que promove a igualdade de gênero, de 2010 a 2013.

Bachelet deixou a presidência do Chile com popularidade em torno de 40%. Durante sua última gestão, implantou um ambicioso programa que incluiu uma reforma da educação, das leis trabalhistas e tributárias. Mas também enfrentou um escândalo de corrupção, protagonizado por seu filho mais velho e sua nora, condenada recentemente por fraude fiscal. Este mês, a ex-chefe de Estado lançou no Chile sua nova fundação, a Horizonte Ciudadano, que busca promover os objetivos de desenvolvimento sustentável fixados pela ONU para 2030.

Ela assume o cargo de alta comissária dos Direitos Humanos a partir de 1º de setembro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.