Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Sobe para 264 o número de mortos em protestos na Nicarágua

media Manifestantes atrás de uma barricada na Nicarágua REUTERS/Oswaldo Rivas

O número de mortes causadas pela violência policial na Nicarágua aumentou para 264 e o de feridos para mais de 1.800, de acordo com a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH). Até então, as informações apontavam 212 vítimas.

“Após uma contagem efetuada pela CIDH desde o começo da repressão contra os manifestantes, 264 pessoas perderam a vida e 1.800 ficaram feridas”, declarou o responsável da Comissão, Paulo Abrão, durante uma reunião da Organização dos Estados Americanos. Estimativas alternativas apontam 250 mortos e 2.000 feridos.

A Nicarágua vive um clima permanente de conflito, que deixou suas principais vias e cidades paralisadas desde as manifestações iniciadas em 18 de abril. Os protestos se estenderam como prova da insatisfação com a política de Ortega, que governa desde 2007 com sua esposa Rosario Murillo, vice-presidente e braço direito. O chefe de Estado é acusado de autoritarismo.

Fim da violência

O governo da Nicarágua aceitou em junho a presença de observadores internacionais dos direitos humanos para investigar as mortes ocorridas durante os protestos. O anúncio foi feito pelo cardeal Leopoldo Brenes, presidente da Conferência Episcopal da Nicarágua (CEN).

As autoridades destacaram, na época, "a importância da presença imediata da Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA)” no diálogo. Governo e oposição também concordaram com a criação de uma Comissão de Verificação e Segurança, mediada pela Igreja e acompanhada pela CIDH, ONU e UE.

O acordo foi obtido depois de várias horas de negociações, durante um período de retomada do diálogo entre o governo e a aliança opositora, em meio à forte repressão dos protestos contra Ortega.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.