Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Vários mortos e feridos em tiroteio em Maryland, leste dos EUA
Américas

Maduro alerta militares após mídia americana afirmar que Trump queria invadir Venezuela

media Para o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, as revelações da mídia americana provam a veracidade de suas denúncias de que Washington planeja atacar militarmente a Venezuela. REUTERS/Marco Bello

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu na quarta-feira (4) que os militares do país "não baixem a guarda", após a imprensa americana informar que em 2017, o presidente americano, Donald Trump, avaliou a possibilidade de invadir a Venezuela.

"Não podem baixar a guarda nem por um segundo, porque defenderemos o maior direito de nossa pátria em toda a sua história (...), que é viver em paz", disse Maduro em uma cerimônia de promoção de generais e almirantes.

Maduro citou informações da mídia dos Estados Unidos segundo as quais Trump perguntou, em agosto passado, a vários assessores de política externa sobre a viabilidade de invadir a Venezuela.

Segurança nacional

Segundo a rede de televisão americana CNN, a possibilidade foi evocada durante uma reunião sobre as sanções que Washington adotou contra o governo Maduro. O motivo alegado por Trump foi a segurança nacional.

Embora não tenham sido revelados detalhes sobre essas conversas, a mídia americana indicou quem estava presente na reunião, como o secretário de Estado, Rex Tillerson, e o assessor de segurança nacional da Casa Branca, H.R. McMaster, que já não fazem parte do Executivo.

"Os assessores de Trump rejeitaram vigorosamente a ideia, assim como vários líderes latino-americanos, que teriam dito ao presidente que não queriam ver uma invasão americana", revelou a CNN. 

Reservas de petróleo

Maduro declarou que as revelações da mídia americana provam a veracidade de suas denúncias de que Washington planeja atacar militarmente a Venezuela para se apoderar de suas vastas reservas de petróleo. "É claro que não é uma coincidência", disse o líder.

Por isso, o presidente venezuelano frisou que seus soldados estão mobilizados. "Nossas Forças Armadas (...) têm a responsabilidade de estarem preparadas para defender o território nacional sob qualquer condição que nos toque defendê-lo", declarou. 

Já o presidente da Assembleia Nacional Constituinte, que regem Venezuela desde agosto de 2017, Diosdado Cabello, anunciou uma investigação por "traição à pátria" contra opositores que, segundo ele, "pediram uma intervenção militar americana". 

"Perigosa confusão"

Essa não foi a primeira vez que Trump evocou a possibilidade de uma invasão da Venezuela. Em agosto do ano passado, o presidente americano provocou uma revolta na América Latina ao mencionar uma "opção militar" contra Caracas, ao conversar com jornalistas em Bedminster, Nova Jersey, onde passava suas férias.

Segundo o republicano, seu objetivo era resolver uma "perigosa confusão" na Venezuela. Na época, o país estava imerso em uma onda de protestos contra o governo de Maduro, que deixou mais de 120 mortos. 

"Nenhuma ação militar está prevista para um futuro próximo", garantiu a Casa Branca por meio de um comunicado, logo após a polêmica. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.