Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/10 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Por onde anda Harvey Weinstein?, pergunta jornal

media Apesar de ter demitido Harvey após o escândalo, a Weinstein Company continua sendo ostracizada por Hollywood. REUTERS/Steve Crisp/File Photo

Depois do enfurecido discurso da atriz Asia Argento, em Cannes, neste fim de semana, contra os casos de agressões sexuais no mundo do cinema, todos se perguntam que fim levou o ex-padrinho de Hollywood desde o escândalo. "Por onde anda Harvey Weinstein?", é a manchete de uma matéria do jornal Aujourd'hui en France desta segunda-feira (21).

O discurso de Asia Argento, no encerramento do Festival de Cinema de Cannes deste ano, provocou calafrios no público. Em meio a um silêncio constrangedor, ela contou que em 1997, aos 21 anos, foi estuprada durante o evento por Harvey Weinstein. "Esse festival era seu local de caça", declarou a atriz, sob os olhares de dezenas de diretores, produtores e atores que acusou de cumplicidade.

Mas sete meses após o escândalo, o que aconteceu com Harvey Weinstein e sua empresa?, pergunta Aujourd'hui en France. Rastreado pelo jornal The New York Times, o produtor foi encontrado na cidade de Scottsdale, no Estado americano do Arizona. Depois de ter realizado uma desintoxicação sexual, o americano de 66 anos compartilha um apartamento com o especialista que gerencia seu tratamento.

Divórcio e falência

Aujourd'hui en France lembra que desde que as denúncias contra Weinstein vieram à tona, sua esposa, a estilista britânica Georgina Chapman, o deixou. O casal está se divorciando, confirmou Georgina à imprensa na semana passada.

Já a empresa do produtor, a Weinstein Company - responsável por sucessos do cinema como "Pulp Fiction", "O Paciente Inglês", "O Discurso do Rei", entre outros - declarou falência em março. Um acordo foi encontrado com uma investidora para recuperar suas ações e os empregados. No entanto, Aujourd'hui en France lembra que a justiça americana ainda pode obrigar essa investidora a criar um fundo de indenização às vítimas de Weinstein.

O jornal ressalta que, até agora, 80 mulheres que acusam o produtor de agressões sexuais abriram processos jurídicos nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. Vários anos devem se passar até que todas as acusações sejam analisadas.

Enquanto isso, os advogados de Weinstein preparam a defesa, que, segundo imaginam especialistas, deve ser baseada na tentativa de acabar com a reputação e a credibilidade das vítimas. Para financiar as batalhas judiciais, o produtor vendeu sua vila em Manhattam por US$ 25 milhões.

375 anos de prisão

O que pode acontecer com ele?, questiona Aujourd'hui en France. O diário salienta que nem todas as acusações serão consideradas pela justiça: algumas, como as denunciadas por Asia Argento, por exemplo, já prescreveram. Outras serão difíceis de provar.

No entanto, as indenizações às vítimas podem custar dezenas de milhões de euros, sem falar na pena à Weinstein que pode ser condenado a 375 anos de encarceramento. "Ruína e prisão para toda a vida" é o que resta ao produtor americano, conclui Aujourd'hui en France.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.