Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Popularidade de Macri despenca na Argentina

media Mauricio Macri recorreu ao Fundo Monetário Internacional, medida que não foi bem vista pelos argentinos REUTERS/Andres Stapff

A imagem positiva do presidente da Argentina, Mauricio Macri, caiu para menos de 40%. A maioria dos cidadãos rejeita a intervenção do FMI e vê o futuro com pessimismo, segundo uma pesquisa de opinião divulgada neste domingo (13). A moeda argentina desvalorizou 6,9% na semana passada.

A pesquisa, realizada pelo Centro de Estudos de Opinião Pública (CEOP), revelou que 37,7% dos entrevistados têm uma imagem positiva de Macri e 62,7%, negativa, seis meses depois que a coalizão de governo Cambiemos (centro-direita) se impôs nas legislativas. Essa é a opinião negativa mais alta e a positiva mais baixa sobre a imagem de Macri desde o início de seu mandato, em dezembro de 2015.

Cerca de 77% consideraram negativa a inesperada decisão do governo de recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para obter um novo crédito stand-by em meio a pressões cambiais, e apenas 20,9% aprovaram esta saída. “Deve-se levar em conta que a memória coletiva se nutre de más recordações de tempos indesejados que se associam ao temido FMI", explicou Roberto Bacman, diretor do CEOP.

Outra pesquisa divulgada recentemente, da consultoria D'Alessio Irol-Berensztein, havia mostrado que 75% dos entrevistados consideraram "inadequado" recorrer ao FMI, enquanto 66% responsabilizaram o governo pela crise cambial.

Dos entrevistados pelo CEOP, 70,5% consideraram "fracassada a luta contra a inflação" e 63% opinaram que o governo lidou "mal ou muito mal" em relação à taxa de câmbio.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.