Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Caso Weinstein rende prêmios Pulitzer de Jornalismo

media Harvey Weinstein na cerimônia do Oscar em 2017. REUTERS/Mike Blake

Os jornais The New York Times e The New Yorker foram os vencedores do prêmio Pulitzer de jornalismo na categoria “serviço público”, anunciado nesta segunda-feira (16), pelas séries de reportagens sobre o escândalo envolvendo o produtor cinematográfico Harvey Weinstein.

O importante prêmio foi anunciado para Ronan Farrow, colaborador do New Yorker, e para a equipe do Times liderada por Jodi Kantor e Megan Twohey. Os artigos levaram à queda de Weinstein e provocaram uma avalanche de acusações contra outros homens poderosos do mundo do entretenimento e da política.

Desde as primeiras denúncias contra Weinstein, em outubro, mais de cem mulheres acusaram publicamente o produtor de má conduta, indo de assédio sexual a estupro, dando origem ao movimento #MeToo, que viralizou. Weinstein, 66 anos, foi abandonado pela mulher e é investigado pelas polícias de Londres, Los Angeles e Nova York.  

Reflexão mundial

Dana Canedy, responsável pela atribuição do Pulitzer, diz que os trabalhos premiados “expuseram predadores sexuais poderosos e milionários, incluindo acusações contra um dos produtores mais influentes de Hollywood, fazendo-os responder por práticas de coerção, brutalidade e silêncio forçado, realizadas durante muitos anos, provocando uma reflexão mundial a respeito do abuso sexual de mulheres”.

Entre outras categorias, The New York Times e o Washington Post dividiram o Pulitzer de cobertura nacional investigando a interferência russa na eleição presidencial americana de 2016. A agência Reuters ficou com o prêmio internacional pela reportagem sobre a guerra contra as drogas do presidente filipino, Rodrigo Duterte. A Reuters também ganhou na categoria fotográfica com a cobertura da crise dos Rohingya.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.