Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Encontro em Medellín busca soluções para estancar extinção de espécies

media depois de atravessar um período de branqueamento, os corais na Polinésia retomaram um pouco das cores. RFI / Anne-Cécile Bras

Mais de 750 especialistas de todo o mundo se reúnem por uma semana na Colômbia para avaliar a "crise" da biodiversidade na Terra e defender soluções contra a extinção maciça das espécies, a primeira desde o desaparecimento dos dinossauros.

"Proteger a biodiversidade é tão importante quanto a luta contra as mudanças climáticas", declarou o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, no sábado (17), na abertura da VI sessão plenária da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistemas (IPBES).

Este fórum reúne cientistas e tomadores de decisão de 116 dos 128 Estados membros do IPBES até 26 de março em Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia, o país mais biodiversificado do planeta depois do Brasil. "O que acontece com um, acontece com todos. Se estamos cientes disso, podemos ser mais responsáveis em termos de proteger o meio ambiente e preservar a paz", disse Santos, cujo país está emergindo pouco a pouco de meio século de conflito armado.

"Hoje, o mundo está em uma encruzilhada", acrescentou Sir Robert Watson, presidente do IPBES, lamentando que "a degradação histórica atual e a destruição da natureza sabotam o bem-estar humano para incontáveis gerações".

De acordo com o IPBES, a Terra enfrenta uma "extinção maciça" de espécies, a primeira desde o desaparecimento de dinossauros há cerca de 65 milhões de anos, a sexta em 500 milhões de anos.
   
Cinco relatórios, três anos de trabalho
   
Em Medellín, os especialistas avaliarão os danos causados à fauna, flora e solos da Terra. Em seguida, serão revelados os esboços de cinco relatórios volumosos, bem como soluções para minimizar o impacto das atividades humanas no meio ambiente.

"Ao degradar a biodiversidade, também estamos reduzindo a alimentação das pessoas, a água limpa que precisamos beber e as florestas que são nossos pulmões", advertiu o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Erik Solheim, em uma mensagem retransmitida de Brasília, onde participa do Fórum Mundial da Água.

Para avaliar a situação, o IPBES dividiu o planeta em quatro regiões: Américas, África, Ásia-Pacífico e Europa-Ásia Central. Cada uma tem sido objeto de uma análise minuciosa e um relatório de 600 a 900 páginas. O diagnóstico será feito na próxima sexta-feira. "Um desafio imensamente ambicioso nos espera esta semana", disse a secretária executiva dp IPBES, Anne Larigauderie.

Durante três anos, cerca de 600 pesquisadores se ofereceram para trabalhar nessas avaliações, que sintetizam os dados de cerca de 10.000 publicações científicas. O resultado final cobre toda a Terra, com exceção das águas internacionais dos oceanos e da Antártica.

Mas 1.200 espécies são ameaçadas pelo desmatamento e a poluição, em particular devido à extensa produção agrícola e pecuária, plantações ilegais de maconha e coca, matéria-prima para a cocaína, e operações de mineração ilegal.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.