Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Polícia dos EUA prende suspeito de matar os pais na Universidade de Michigan

media James Eric Davis, de 19 anos, é suspeito de ter matado os pais no campus da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos, na sexta-feira (2). City of Mt. Pleasant / AFP

O estudante suspeito de ter matado os pais no campus da Universidade Estadual de Michigan foi preso neste sábado (3). As buscas pelo adolescente de 19 anos duraram várias horas, indicaram as autoridades americanas. 

O tiroteio, ocorrido no início da manhã de sexta-feira (2), fez com que o campus da universidade fosse cercado pela polícia. Alguns alunos ficaram presos nas salas e nos dormitórios até o meio da tarde, enquanto os policiais realizavam buscas pelo suposto atirador.

O jovem James Eric Davis, de 19 anos, identificado como um estudante do local, foi detido próximo de uma estação de trem no norte do campus, um pouco depois da meia-noite deste sábado, hora local. Os policiais detiveram o adolescente sem que ele resistisse.

Davis é acusado de matar o pai, um policial, e sua mãe em um tiroteio dentro de um dos dormitórios da universidade na sexta-feira. O porta-voz da polícia local descreveu o garoto como um "indivíduo com problemas familiares".

O campus, localizado na cidade de Mount Pleasant, no centro de Michigan, ficou fechado por várias horas após o tiroteio, registrado às 8h30 (10h30 de Brasília), enquanto as autoridades federais, estaduais e locais procuravam por Davis usando helicópteros e cães policiais.

Agressor já era conhecido pela polícia

Davis, que mora no estado vizinho de Illinois, mas frequentava a faculdade em Michigan, já era conhecido pelas autoridades americanas. Na noite anterior ao tiroteio, a polícia o levou a um hospital local depois que ele passou mal por utilizar drogas. Ele deixou o centro médico pela manhã, horas antes do incidente no dormitório.

Autoridades do Estado de Illinois identificaram e informaram sobre a morte dos pais do estudante, que viviam em um subúrbio de Chicago. "Minhas mais sinceras condolências à família do policial James Davis e sua esposa, que foram baleados e mortos", tuitou um legislador de Illinois, Emanuel Welch. 

Ainda não se sabe qual a arma Davis teria utilizado, nem como ele a adquiriu. O estado do Michigan permite o porte de armas, mas a universidade as proíbe em todo o campus.

Menos de um mês após ataque à escola na Flórida

O incidente teve forte repercussão e múltiplos alertas foram publicados nas redes sociais, com o objetivo de avisar estudantes e funcionários do local. O tiroteio também chamou a atenção porque ocorreu menos de um mês após o ataque à escola secundária Marjory Stoneman Douglas, na Flórida, que deixou 17 mortos, em 14 de fevereiro. 

Um intenso debate sobre porte de armas é realizado desde então nos Estados Unidos, sob a desaprovação da poderosa Associação Nacional do Rifle (NRA). Nikolas Cruz, autor do ataque a tiros na Flórida, utilizou uma metralhadora semiautomática, o que levou os alunos da escola a fazerem apelos públicos por mudanças nas leis de armas do país.

O presidente americano Donald Trump gerou polêmica ao sugerir treinar e armar alguns professores. Na última semana, ele voltou atrás e se mostrou favorável a realizar verificações mais rígidas de antecedentes criminais aos futuros compradores de armas e um possível aumento na idade mínima para adquirir fuzis. Mas, após um encontro com o líder republicano na quinta-feira (1°), a ANR deu a palavra final e anunciou que Trump é contra o controle de porte de armas.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.