Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/05 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 26/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 26/05 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/05 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Antigo chavista desafia Maduro nas eleições presidenciais

media Henri Falcón: ex-chavista que desafia Maduro, sem o apoio da oposição. REUTERS/Marco Bello

Terminou nesta terça-feira (27) o prazo para as inscrições dos candidatos à presidência nas eleições de 22 de abril na Venezuela. O presidente Nicolás Maduro, candidato à reeleição, fez a sua inscrição, mas a coalizão de oposição, a Mesa da Unidade Democrática, a MUD, já havia avisado desde a semana passada que não participaria das eleições. Maduro concorrerá, então, contra cinco candidatos, entre eles, Henri Falcón, um antigo chavista que hoje se torna a principal figura de oposição ao chefe de Estado.

Com nosso correspondente em Caracas, Julien Gonzalez

Lançando a sua candidatura, Henri Falcón respondeu ao desafio lançado por Nicolás Maduro, que havia pedido aos seus adversários que se apresentassem, não pelo gosto da confrontação, mas, principalmente, para passar a imagem de uma votação livre e transparente, assim legitimando essas eleições vistas com desconfiança pela comunidade internacional.

Dissidente do chavismo, Falcón, que foi o diretor de campanha do opositor Henrique Capriles nas presidenciais de 2013, está à frente de Nicolás Maduros nas pesquisas de intenção de votos. Mas, segundo os analistas, suas chances de vitória são fracas num país onde a Justiça Eleitoral é controlada por aliados de Maduro.

Condições

Henri Falcón, por sua vez, colocou condições à sua participação: ele exige um adiamento das eleições e a vinda de uma missão de observação internacional da ONU.

Suas chances de eleição, contudo, estão ainda mais comprometidas pela falta de apoio da Mesa da Unidade Democrática, que denuncia a falta de condições para uma eleição “livre, democrática e transparente”. Além do mais, seus dois principais líderes, Henrique Capriles e Leopoldo Lopez, foram declarados inelegíveis ou estão sob prisão domiciliar.

Denunciando “um sistema eleitoral fraudulento”, a MUD condenou nesta terça-feira a candidatura de Henri Falcón, com quem rompeu toda e qualquer forma de aliança

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.