Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Detido, traficante El Chapo reclama de falta de acesso a fortuna para pagar defesa

media Julgamento de Joaquin "El Chapo" Guzman vai começar em setembro, nos Estados Unidos. Foto do 08/01/16 REUTERS/Henry Romero/File Photo

O traficante mexicano "El Chapo" Guzmán, um dos maiores chefes do narcotráfico da história, assegurou que sem recursos para pagar sua defesa, seu julgamento "será uma farsa". Ele enviou em carta nesta quinta-feira (15) ao juiz encarregado do caso.

No texto, "El Chapo" protesta contra as regras impostas pelo juiz Brian Cogan, que lhe impedem de dar instruções a seus parentes sobre como ter acesso a seu dinheiro para pagar sua defesa. As regras também impedem que sua equipe de advogados passe mensagens a sua família com instruções sobre como obter os honorários.

O ex-chefão do tráfico de 60 anos, extraditado aos Estados Unidos em janeiro de 2017 e desde então em isolamento quase total em Nova York, quis ler a carta ao juiz em uma audiência celebrada na corte do Brooklyn na manhã de quinta-feira, mas o magistrado não o permitiu. Seu advogado, Eduardo Balarezo, enviou horas depois a carta ao juiz para que "El Chapo" possa lê-la em voz alta na próxima audiência. O começo de seu julgamento foi marcado para 5 de setembro, quando terá início a seleção de jurados.

"Senhor juiz, peço-lhe que modifique as regras para me permitir falar com minha esposa frente a frente para solucionar esta situação. Se não, meu julgamento será uma farsa", escreveu "El Chapo".

Sem contato com a família

Faz 13 meses que o narcotraficante não fala com sua mulher, a jovem miss Emma Coronel, que esteve, como de costume, na corte com as filhas gêmeas do casal, de seis anos. O acusado as saudou com a mão.

"El Chapo" não pode receber visitas de familiares, com exceção das filhas pequenas, com quem se reuniu por uma hora na terça-feira, sob supervisão. O ex-chefe do cartel de Sinaloa, que protagonizou duas fugas espetaculares de prisões mexicanas, é acusado de comandar um dos maiores impérios do narcotráfico das Américas durante 25 anos e de enviar mais de 200 toneladas de cocaína aos Estados Unidos. Se for considerado culpado, ele pode pegar prisão perpétua.

"Minha defesa não está completa por falta de recursos", insistiu. Após a publicação no México de informações de que sua família não quer pagar os honorários em parte porque não conhece seus desejos, esclareceu que quer ir a julgamento, que não tem a intenção de colaborar com o governo americano nem de se declarar culpado.

"Quero que façam o possível para pagar os honorários de meus advogados. O problema é que sem instruções minhas, não podem fazê-lo", afirmou.

Fortuna guardada a sete chaves

Os Estados Unidos buscam recuperar ao menos parte dos cerca de 14 bilhões de dólares dos ganhos estimados que "El Chapo" teria acumulado em sua empresa criminosa. Mas o procurador-geral do México informou, em maio passado, que até então os Estados Unidos não tinham podido recuperar nem um dólar, já que aparentemente o ex-chefe do tráfico não usava o sistema financeiro.

Balarezo disse a jornalistas, após a audiência, ter recebido de amigos de seu cliente um pagamento parcial do primeiro dos três que foram acordados, mas que eles não têm como pagar o resto. Ele assegurou que, por enquanto, continuará defendendo seu cliente, mas que "há coisas que precisamos fazer e que não podemos por falta de fundos", por exemplo, gastos em viagens, investigadores e peritos ou documentos. Há mais de 300 mil páginas de provas já apresentadas pela promotoria.

Balarezo disse haver umas cem testemunhas em potencial no governo, presos que tentam reduzir suas penas. "Precisamos investigar essas pessoas", destacou.

Com informações AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.