Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Farc lançam primeira campanha eleitoral na Colômbia

media O secretário geral da ONU, Antonio Guterres visita um centro de reintegração dos rebeldes das Farc, na Colômbia REUTERS/Jaime Saldarriaga

As Farc, forças armadas revolucionárias da Colômbia, se transformaram em um partido político desde a assinatura de um cessar-fogo com o governo colombiano em 2016.

Os ex-guerrilheiros lançaram sua campanha para as eleições legislativas e presidenciais, que acontecem em março e maio, neste sábado (27). O candidato do partido às eleições presidenciais, Rodrigo Londono, ou Timochenko, prometeu dirigir um "governo de transição para promover o nascimento de uma nova Colômbia", e lutar contra a pobreza e a corrupção. Seu primeiro comício aconteceu em um bairro popular no sul de Bogotá, e foi acompanhado por centenas de partidários.

Entre as medidas do programa eleitoral das Farc, estão a gratuidade das universidades, uma melhor cobertura médica financiada pela população mais rica, construção de estradas e redes elétricas, além do financiamento da pesquisa científica. "Que a voz dos mais pobres, milhões e milhões que nunca foram levada em conta, possa ser ouvida, e que eles possam decidir seu futuro", declarou.

Dez cadeiras garantidas no Congresso

Mais de 74 candidatos das Farc participarão das legislativas. O acordo de paz assinado em Havana em 2016, depois de 52 anos de conflito com o governo, prevê que os ex-guerrilheiros tenham dez cadeiras garantidas no Congresso, independentemente do resultado das eleições.Cerca de 11 mil combatentes entregaram suas armas no ano passado depois do compromisso assinado entre os ex-guerrilheiros e o governo colombiano.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.