Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Por que papa Francisco não vai à Argentina?

media Em sua sexta viagem pela América Latina, o papa Francisco passa por Peru e Chile. REUTERS/Max Rossi

O papa Francisco desembarca nesta segunda-feira (15) na América Latina para o seu sexto giro na região. Mais uma vez o sumo pontífice evitou passar pela Argentina, onde seu posicionamento político ambíguo, que poderia ser instrumentalizado durante a visita, divide a população.

Jean-Louis Buchet, correspondente da RFI em Buenos Aires

Desde que assumiu o pontificado, há quatro anos, o papa visitou a maioria dos países de língua espanhola na América Latina. Desta vez, o chefe da Igreja Católica desembarca no Chile e segue para o Peru. As duas nações se juntam à lista já composta por Equador, Bolívia, Paraguai, México, Colômbia e Cuba. Sem esquecer os vizinhos Brasil, ao sul, e Estados Unidos, ao norte.

O papa ainda não foi ao Uruguai e à Venezuela desde que foi eleito. Mas todos se questionam principalmente sobre a ausência repetida da Argentina em seus giros pela região. Até porque, ao deixar seu cargo de arcebispo de Buenos Aires, em 2013, Francisco prometeu “voltar em um mês” a seu país natal. No entanto, a terceira maior nação da América Latina, de maioria católica, vêm sendo sistematicamente excluída dos roteiros na região.

Analistas locais afirmam que uma das razões dessa ausência seria a imagem do papa, que teria se degradado seu próprio país. Se Jorge Bergoglio contava com a unanimidade de seus compatriotas quando foi escolhido para substituir Bento 16, com o tempo essa situação mudou e Francisco passou a dividir opiniões em sua terra natal, principalmente por motivos políticos.

Frio com Macri e sorridente com sindicalistas

O papa é visto, principalmente pelos próximos do governo, como um simpatizante do peronismo, atualmente na oposição. Já aqueles que o apoiam e pedem que ele visite o país o fariam numa tentativa de beneficiar de sua imagem de potencial adversário do presidente de centro-direita Mauricio Macri, eleito em novembro de 2015.

Esse risco de instrumentalização surgiu por causa do engajamento político de Francisco, palpável por meio de mensagens que ele envia a seus compatriotas, ou ainda ao receber no Vaticano sindicalistas e líderes sociais. Alguns afirmam até que o comportamento do sumo pontífice mudaria em função do convidado: frio e distante durante os encontros oficiais com Macri, e sorridente e descontraído ao lado dos membros da oposição, principalmente peronistas. Alguns desses opositores, aliás, não perderam tempo e, ao voltarem de Roma, declararam que o papa os teria apoiado em suas críticas à política do atual governo.

Papa peronista?

O sumo pontífice nunca escondeu sua ligação com o peronismo, modelo que recusa a luta de classes, colocando os pobres e excluídos no centro do debate, e que inspirou a doutrina social do jesuíta. Porém, os que chamam Francisco de “papa peronista”, esquecem que, mesmo se ele atuou muito nos bairros pobres de Buenos Aires quando era arcebispo, o atual chefe da Igreja Católica sempre teve uma relação tensa com a ex-presidente Cristina Kirchner. Essa posição de Bergoglio não teria mudado. A única diferença é que, agora, sua mensagem tem mais peso e que alguns, entre eles os Kirchner e os líderes sociais, utilizam-na politicamente.

Diante dessa situação, Francisco teria preferido evitar seu país para não expor as divisões da Argentina sobre suas posições. Uma viagem nesse contexto poderia resultar em menos fiéis para recebê-lo, multidões politizadas nas missas e críticas de parte da sociedade.

O governo argentino já assinalou que a falta de uma visita do papa ao seu país natal até o final do mandato de Macri, em dezembro de 2019, poderia ser interpretada como uma afronta.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.