Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Oprah Winfrey: negra, mulher e próxima presidente dos EUA?

media Oprah Winfrey, após receber o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto de sua carreira na cerimônio do Globo de Ouro no domingo, 7 de janeiro de 2018. Paul Drinkwater/Courtesy of NBC/Handout via REUTERS

O aplaudido discurso da famosa apresentadora de televisão norte-americana, Oprah Winfrey, durante a entrega do Globo de Ouro na noite de domingo (7), provoca especulações sobre uma possível candidatura sua à presidência dos EUA.

Oprah Winfrey, que recebeu o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto de sua carreira, durante a cerimônia de entrega do Globo de Ouro, fez um discurso político, bem além da reação feminista e antissexista provocada pelo affair Harvey Weinstein.

Oprah fez a conexão com duas heroínas na luta dos direitos civis dos EUA, Rosa Parks e Recy Taylor, e anunciou a chegada de um "novo amanhecer" para mulheres e meninas abusadas por homens.

Muitos viram nesta declaração de nove minutos um momento de virada na vida pública de Oprah Winfrey, cuja estatura há muito superou a de uma simples apresentadora de televisão, atriz ou mulher de negócios, atividades que fizeram de ela a primeira mulher negra bilionária nos Estados Unidos.

Primeira apresentadora negra a aparecer na televisão há cerca de 30 anos, Oprah criou uma grife em torno de seu nome e sua imagem, com uma influência considerável no país.

Perguntada domingo imediatamente após o discurso se ela gostaria de se candidatar, ela disse que nunca pensou nisso, de acordo com certos veículos de imprensa dos EUA. Mas, de acordo com a rede CNN, que citou segunda-feira (8) duas pessoas próximas à Oprah, a atriz de 63 anos "considera seriamente" uma candidatura.

Em março de 2017, ela lançou um comentário deliberadamente ambíguo, dizendo em uma entrevista que a vitória eleitoral de um bilionário do setor imobiliário, sem qualquer experiência política, Donald Trump, a fazia pensar a respeito de uma candidatura. No dia seguinte ao comentário, sua melhor amiga, a apresentadora Gayle King, assegurou que se tratava de uma "piada".

"Eu nunca vou me candidatar a um cargo político", disse Oprah ao Hollywood Reporter em junho. "Esta é uma posição bastante definitiva". "Depende das pessoas decidirem", disse Stedman Graham, o companheiro de longa data de Oprah Winfrey, ao jornal The Los Angeles Times no domingo (7). "Ela o faria, está claro."

Falta de experiência política seria algo positivo?

Sem surpresa, todas as estrelas Hollywood já dão apoio à uma candidatura de Oprah Winfrey, como testemunharam nesta segunda-feira (8) as muitas reações depois do seu já famoso discurso no domingo. "Eu não acho que ela pretendia se declarar candidata", atriz Meryl Streep disse ao jornal Washington Post, "mas agora ela não tem mais escolha".

"Eu não acho que isso pode ser considerado uma piada, não mais do que o candidato Donald Trump ou The Rock", uma referência ao ator Dwayne Johnson, que já fez piada sobre suas ambições para 2020, afirmou a professora de Ciências Políticas da Universidade de Oklahoma, Cindy Rosenthal.

Uma pesquisa publicada em março pelo Public Policy Polling Institute deu Oprah Winfrey vencedora em 2020 contra Donald Trump, por 47% dos votos a 40% para o atual presidente.

A sexagenária parece estar perfeitamente alinhada com o seu tempo, com a luta pela causa das mulheres, mas também pelas conquistas da sociedade civil. "Para muitos, nos Estados Unidos, a experiência política é realmente uma desvantagem em uma eleição, não um trunfo”, diz Cindy Rosenthal, conforme provado pela vitória de Donald Trump.

Apostas femininas

Nas casas de apostas britânicas de William Hill, Oprah, nativa do estado do Mississippi fez um retorno espetacular depois de um começo tímida, e agora se encontra no mesmo patamar de Michelle Obama. "As chances sugerem que Donald (Trump) vai ser difícil de ser batido, no entanto", disse um porta-voz de William Hill.

Democrata “de coração”, mesmo que tenha se mantido longe do partido, Oprah é claramente menos popular entre os simpatizantes republicanos, que são apenas 30% a ter uma opinião favorável sobre ela, de acordo com os resultados de uma pesquisa publicada em novembro do ano passado.

No entanto, sua imagem é muito mais consensual que a de Donald Trump, e seu talento para a empatia, que a tornou a maior entrevistadora de TV dos Estados Unidos, é uma das principais razões para o seu sucesso.

"Donald Trump herdou uma fortuna e conseguiu crescer", disse Cindy Rosenthal, enquanto Oprah Winfrey "construiu tudo em suas próprias qualidades".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.