Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Califórnia se torna maior mercado legal de maconha do mundo

media Loja de Oakland oferece diversos tipos de cannabis, no primeiro dia da liberalização do uso recreativo da maconha na Califórnia. REUTERS/Elijah Nouvelage

A Califórnia se tornou o principal mercado mundial de cannabis regulamentada, ao legalizar o uso recreativo da maconha a partir desta segunda-feira (1º). O Estado mais populoso dos Estados Unidos é o sexto do país a autorizar a venda de produtos à base da erva para maiores de 21 anos. Desta forma, um a cada cinco americanos vivem em um lugar onde o consumo da planta é permitido – embora, em nível federal, a maconha continue proibida.

O índice vai subir ainda mais neste ano, já que outros dois estados americanos, Maine e Massachusetts, também devem legalizar a cannabis. Na Califórnia, que conta com 39,5 milhões de habitantes, o tradicional espumante perdeu o lugar para o cigarro de maconha neste réveillon, para muitos usuários que aguardavam pela entrada em vigor da nova lei. Os californianos agora podem plantar até seis plantas de maconha por habitação e levar 30 gramas da erva, sem ter problemas com a polícia.

“Todos nós estávamos esperando por isso. A cannabis pode ajudar muita gente e não há nenhuma razão de proibi-la”, comemorou o tatuador Johnny Hernandez, morador de Modesto. “Estamos muito felizes. É um enorme avanço”, disse Khalil Moutawakkil, produtor e revendedor de maconha em Santa Cruz.

Receitas maiores que as das vendas de cerveja

A Califórnia já autorizava o uso medicinal da erva desde 1996 – foi o primeiro Estado americano a legalizá-la em tratamentos, seguido pelo Colorado e Washington, que estenderam a permissão ao uso recreativo, em 2012. Agora, com a ampliação da lei californiana, as receitas das vendas no estado devem chegar a US$ 3,7 bilhões em 2018 e US$ 5,1 bilhões em 2019. O valor supera o das vendas de cerveja, que chegaram a US$ 5 bilhões em 2017. Além disso, o comércio de cannabis deve gerar pelo menos US$ 1 bilhão em recolhimento de impostos aos cofres californianos.

Um dos principais desafios para se chegar a essas cifras é a ampliação dos pontos de venda da erva. Neste 1º de janeiro, apenas cerca de 40 comerciantes tinham autorização oficial para revender o produto. Todos se concentram em San Diego, Santa Cruz e as regiões da baía de São Francisco e Palm Springs.

No mundo, o único país a autorizar a maconha é o Uruguai.

Com informações AFP e France 24

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.