Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Exposição em NY quer alterar clichê "hipersexualizado" da brasileira no exterior

Exposição em NY quer alterar clichê
 
As brasileiras Camila Santos, Keka Marzagão, Viviane Aquino expõem às máscaras usadas por suas conterrâneas nos EUA Divulgação

Uma exposição, em cartaz no Queens em Nova York, busca quebrar os estereótipos da mulher brasileira no exterior. Assimilar e ser assimilado por uma cultura diferente é um desafio comum da experiência dos imigrantes.Como ilustram os recentes escândalos e manchetes da mídia, ser respeitada no ambiente de trabalho ainda não é uma garantia para muitas profissionais. Para as imigrantes brasileiras, vistas pelo clichê de belas e sensuais, o desafio pode ser ainda maior.

A imagem mundial da brasileira está marcada por um forte estereótipo que, frequentemente, resulta na objetificação femina. A mídia e a indústria do entretenimento apresentam a brasileira como sexy, exótica, desinibida e focada no corpo. Essa imagem fica gravada na mente dos estrangeiros, impactando as interações com as imigrantes que vêm do Brasil. Isso pode limitar as oportunidades que essas mulheres têm de avançar profissionalmente e ser plenamente integradas à sociedade.

Três brasileiras residentes do Queens, o maior distrito da cidade de Nova York, observaram que as imigrantes brasileiras precisam recorrer a máscaras para que sejam mais facilmente aceitas pela sociedade americana. Com isso em mente, Camila Santos, Viviane Aquino e Keka Marzagao apresentam Masks of the Quotidian (Máscaras do Cotidiano), uma exposição multidisciplinar que inclui monólogos, fotografias e esculturas em forma de máscara.

As diversas máscaras sociais, reveladas na mostra, foram criadas por essas imigrantes para driblar o esteriótipo imposto e mostram, segundo as curadoras, a criatividade, resiliência e autodeterminação dessas brasileiras em se integrar.

Depoimentos de imigrantes brasileiras

Os trabalhos artísticos, em exposição neste mês de dezembro, foram inspirados em entrevistas com brasileiras residentes de três bairros do Queens: Astoria, Long Island City e Woodside. “A colaboração com as brasileiras que concordaram em ser entrevistadas e fotografadas foi fundamental para o sucesso do nosso conceito artístico, pois elas são a alma do projeto. Gostaria que o projeto ajudasse a alterar essa visão hipersexualizada da mulher brasileira”, diz Camila.

Os monólogos, em inglês, foram criados por Camila com o objetivo de atingir um público além da comunidade brasileira em Nova York. Camila, Keka e Viviane esperam que o projeto cresça e a exposição continue em outros estados americanos.

A vernissage de abertura da exposição, realizada em 09 de dezembro, atraiu tanto brasileiros quanto estrangeiros dos mais diversos países e backgrounds.

As três colaboradoras não têm a intenção de ditar nem limitar a conduta e a imagem de suas conterrâneas, mas querem apenas mostrar as muitas facetas da mulher brasileira, que também são um espelho da rica diversidade da cultura e da sociedade brasileiras.

 

Artistas envolvidas

Camila Santos é escritora. Seus trabalhos já foram publicados pelo New York Times, Words Without Borders e Minola Review. Ela foi selecionada para o programa Writer to Writer, de 2017, da AWP (Association of Writers and Writing Programs) e, em 2014 e 2017, foi premiada com uma bolsa concedida pelo programa New Works Grants do Conselho para Artes do Queens. Atualmente, Camila está escrevendo um romance sobre imigrantes brasileiros nos Estados Unidos.

Keka Marzagão é uma artista com trabalho baseado em fotografia e focado em questões de identidade, representação e deslocamento. Ela estudou no International Center of Photography e no Hunter College.Seu trabalho já foi exposto na Cuchifritos Gallery (LES/NY) e na CutLog Art Fair (NY). Keka foi selecionada para receber a bolsa Queens Art Intervention de 2017 por seu projeto de instalação pública sobre 1,5 geração de famílias imigrantes. Neste momento, ela está trabalhando em um projeto de longo prazo sobre imigrantes.

Viviane Aquino é figurinista e fotógrafa. Ela é formada em Jornalismo e Relações Públicas pela Pontifícia Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e, em 2013, concluiu o programa Fashion Art and Design & Costume Design do FIT (Fashion Institute of Technology).

Informações práticas sobre o evento

A exposição Masks of the quotidian fica em cartar até o dia 31 de dezembro de 2017. A galeria The Plaxall Gallery está localizada no 5-25 46th Avenue, em
Long Island City, NY.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.