Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Trump nega ter tentado impedir investigação de contatos com a Rússia

media Acordo de colaboração de Flynn, à direita, pode comprometer Trump. REUTERS

O presidente americano, Donald Trump, negou neste domingo (3) ter pedido ao então diretor do FBI, James Comey, que encerrasse uma investigação sobre seu ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn, que se declarou culpado de ter mentido sobre suas conversas com o embaixador da Rússia.

"Nunca pedi a Comey que parasse de investigar Flynn. Apenas mais uma Notícia Falsa cobrindo outra mentira de Comey", tuitou Trump.

No sábado, o presidente republicano insistiu em que sua equipe de campanha nunca esteve envolvida em um conluio com Moscou na eleição presidencial americana de 2016, culpando pelos rumores o Departamento de Justiça e sua então oponente, a democrata Hillary Clinton.

Nessa ocasião, o presidente afirmou que Flynn não havia feito nada ilegal durante o período de transição, ou seja, entre sua vitória em novembro e sua posse, em janeiro.

"Tive de demitir o general Flynn porque havia mentido para o vice-presidente e para o FBI. Ele se declarou culpado dessas mentiras. É triste, porque suas ações durante a transição foram legais. Não tinha nada a esconder!", afirmou o presidente no Twitter neste sábado à tarde, referindo-se, pela segunda vez em poucas horas ontem, a essa investigação potencialmente explosiva que agora afeta seu entorno mais próximo.

A investigação do procurador especial independente Mueller sobre a ingerência de Moscou na eleição de 2016 se aproxima cada vez mais de Trump. Se conseguir provar que houve complô com os russos, ou mesmo obstrução da Justiça, a possibilidade de abertura de um processo de impeachment não está excluída.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.