Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Ex-líder guerrilheiro das FARC é candidato às eleições colombianas de 2018

media Ex-líder das FARC, Rodrigo Londoño, o "Timochenko", em coletiva de imprensa em Bogotá (25/11/16). REUTERS/Jaime Saldarriaga

O partido político das FARC que surgiu do acordo de paz com a ex-guerrilha na Colômbia lançou nesta quarta-feira (1º) a candidatura presidencial de seu líder Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko, para as eleições de maio de 2018.

"Anunciamos que nosso candidato à presidência da República será Rodrigo Londoño Echeverry, Timochenko", disse Iván Márquez, porta-voz da organização política Força Alternativa Revolucionária do Comum, como passaram a se chamar as FARC (ex-Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), em coletiva de imprensa em Bogotá.

Londoño, de 58 anos, foi o último comandante dos guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia antes de o grupo depor as armas e se tornar um partido político este ano, depois de assinar a paz em novembro de 2016.

Em julho, Timoshenko sofreu um acidente vascular cerebral que afetou sua fala e o obrigou a viajar a Cuba, onde se recupera.

Apesar dos problemas de saúde, a Força Alternativa Revolucionária do Comum o nomeou presidente do partido em setembro.

Além da candidatura presidencial, a organização anunciou suas listas para o Congresso a ser eleito em março, lideradas pelo próprio Márquez, Pablo Catatumbo, Carlos Lozada e Victoria Sandino, ex-negociadores da paz.

Com uma imagem negativa na maioria das pesquisas, o grupo revelarou suas intenções eleitorais, embora o Congresso ainda não tenha definido o sistema judicial ao qual os guerrilheiros deverão se submeter.

Mea culpa

De acordo com o acordo de paz, os rebeldes e militares envolvidos no conflito poderão receber penas de prisão alternativas se confessarem seus crimes, indenizar as vítimas e se comprometer a nunca mais cometer violência.

No entanto, falta ser esclarecido se os candidatos do partido poderão assumir funções públicas sem terem sido julgados pela Jurisdição Especial para a Paz (JEP).

O pacto de paz garante a eles dez assentos no Congresso, embora devam concorrer às eleições.
   

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.