Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Assembleia Constituinte convoca eleições para prefeito na Venezuela

media O presidente venezuelano Nicolás Maduro durante reunião com governadores eleitos no Palácio de Miraflores, em 23 de outubro de 2017. Miraflores Palace/Handout via REUTERS

A Assembleia Constituinte da Venezuela convocou eleições de prefeitos para o próximo mês de dezembro, depois da vitória do chavismo na votação de governadores no último 15 de outubro, segundo um decreto aprovado nesta quinta-feira (26).

A Constituinte, contestada pela comunidade internacional, decidiu "convocar e programar para o mês de dezembro de 2017 o processo eleitoral para a escolha de prefeitos e prefeitas dos municípios", destacou o acordo, lido no plenário do órgão nesta quinta-feira.

Legalmente, as eleições de prefeitos eram anteriormente previstas para dezembro, mas o presidente Nicolás Maduro havia mudado a data para o primeiro trimestre de 2018. Em sua convocação desta quinta-feira, a Assembleia Constituinte não precisou a data exata em que o pleito será realizado.

Segundo o especialista eleitoral Eugenio Martínez, o governo de Maduro busca aproveitar o impacto da vitória nas eleições, quando elegeu 18 governos contra apenas cinco da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Desmobilização da oposição

"Maduro também tenta tirar vantagem da desmobilização da oposição", comentou Martínez. A vitória governista – marcada por uma alta abstenção opositora e por denúncias de irregularidades – deu início a uma crise na MUD, depois que quatro de seus governadores foram empossados na Constituinte na segunda-feira (24), considerada ilegítima pela coalizão de oposição.

Maduro tinha posto como condição que os governadores se subordinassem à Constituinte - integrada apenas por chavistas - como requisito para assumir os cargos.

Apenas Juan Pablo Guanipa, governador eleito no estado de Zulia, se negou a comparecer, razão pela qual o conselho legislativo declarou vago seu cargo nesta quinta-feira.

Na sessão, o constituinte Hermann Escarrá propôs que as eleições em Zulia se repitam no mesmo dia do voto para prefeitos. Atualmente, o governo possui 242 das 335 prefeituras do país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.