Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

EUA expulsam 15 diplomatas cubanos em Washington

media Embaixada de Cuba em Washington. REUTERS/Carlos Barria/File Photo

Os Estados Unidos expulsaram quinze diplomatas cubanos de Washington na terça-feira (3) depois de repatriar mais da metade de seus funcionários de Havana em reação aos misteriosos "ataques" que afetaram a saúde de 22 membros do corpo diplomático norte-americano no país.

"Mantemos nossas relações diplomáticas com Havana", mas as "expulsões" foram decididas "devido à incapacidade de Cuba tomar medidas adequadas para proteger nossos diplomatas" e também "garantir a justiça" na presença diplomática dos dois países, disse o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, em um comunicado.

Um funcionário do Departamento de Estado informou que a embaixada de Cuba recebeu uma lista com os nomes dos 15 funcionários que deverão deixar o país num prazo de sete dias a contar de hoje. Esta iniciativa da administração Trump é um novo golpe à política de aproximação entre Washington e Havana, liderada pela administração anterior, conduzida por Barack Obama.

Segundo os Estados Unidos, os "ataques" ocorreram em residências diplomáticas e hotéis frequentados por cidadãos norte-americanos na capital cubana.
 

Histórico dos “ataques misteriosos”

Na sexta-feira, 29 de setembro, os Estados Unidos chamaram de volta mais da metade do seu corpo diplomático baseado em Havana. Segundo o departamento de Estado norte-americano, a medida foi provocada pelos misteriosos "ataques” sofridos por seu pessoal em Cuba.

Desde 2016 mais de vinte diplomatas norte-americanos baseados em Cuba têm sofrido diversos e misteriosos problemas de saúde, como dores de cabeça, vertigens, perda da audição e edemas cerebrais, sem que nenhuma explicação seja encontrada. Alguns dos diplomatas atingidos foram levados a Miami para receber tratamento hospitalar, enquanto outros foram visitados por médicos americanos que viajaram a Havana.

Baseado no testemunho de uma das vítimas, que teria ouvido um forte som em seu quarto de hotel antes de começar a passar mal, o FBI considerou a hipótese de uma arma sônica que estaria sendo usada contra os diplomatas. Mas o diagnóstico de edemas cerebrais contradiz a hipótese, uma vez que armas sônicas dificilmente poderiam ter provocado um tal dano.

O departamento de Estado, que qualificou os ataques de "sem precedentes", advertiu o governo cubano na ocasião de que ele é responsável pela segurança dos diplomatas que trabalham na ilha, embora não tenha especificado quem está por trás dos ataques.

Estados Unidos e Cuba retomaram suas relações diplomáticas em 2015 após meio século de ruptura, mas a aproximação sofreu um retrocesso com a chegada de Donald Trump à Casa Branca, partidário de uma linha mais dura com o governo da ilha.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.