Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/02 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/02 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Aviação dos EUA faz exercícios militares na península coreana

media Caça-bombardeiro da quinta geração F-35 da Força Aérea dos EUA. wikipédia

Seis aviões militares dos Estados Unidos sobrevoaram a península coreana nesta segunda-feira (18), em uma demonstração de força, após o último teste nuclear norte-coreano. A informação foi anunciada pelo Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

Quatro aviões F-35B e dois bombardeiros B-1B sobrevoaram a península para "demonstrar a capacidade da aliança entre Estados Unidos e Coreia do Sul contra as ameaças nucleares e de mísseis da Coreia do Norte", indicou o Ministério.

As aeronaves americanas realizaram manobras com quatro aparelhos sul-coreanos F-15. De acordo com o comunicado, o exercício faz parte da rotina de treinamentos que os dois países executam juntos. 

Esses são os primeiros voos de aparelhos militares desde que Pyongyang fez, em 3 de setembro passado, seu sexto e mais potente teste nuclear e desde o lançamento, na última sexta (15), de um míssil norte-coreano que sobrevoou o Japão, elevando as tensões na região.

Mais pressão sobre Pyongyang

O presidente americano, Donald Trump, e seu colega sul-coreano, Moon Jae-In, comprometeram-se a exercer "uma maior pressão" sobre Pyongyang - anunciou Seul neste domingo (17). Em conversa por telefone, Moon e Trump "condenaram profundamente" o mais recente disparo de míssil feito na sexta-feira (15) pela Coreia do Norte.

"Os dois dirigentes concordaram em exercer uma pressão maior e mais concreta para que o regime norte-coreano entenda que novas provocações só vão reforçar o isolamento diplomático e as pressões econômicas que levarão a seu colapso", declarou a presidência sul-coreana em um comunicado.

Na última segunda-feira (11), o Conselho de Segurança da ONU adotou por unanimidade uma nova resolução de sanções para obrigar a Coreia do Norte a colocar um fim em seus programas balístico e nuclear. Mas as medidas não parecem intimidar o ditador norte-coreano Kim Jong-un. Segundo ele, seu objetivo é atingir um "verdadeiro equilíbrio de força com os Estados Unidos para que os governantes americanos não sigam falando de opção militar contra a Coreia do Norte".

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.