Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Militares peruanos são condenados por crimes cometidos há 30 anos

media A ditadura militar no Peru durou de 1978 a 1965 Youtube

Um tribunal peruano condenou na madrugada desta sexta-feira (18) um grupo de militares responsáveis, há três décadas, pela tortura, assassinato e  desaparecimento de 53 pessoas em um quartel militar na cidade andina de Huamanga.

Entre 1980 e 2000, o Peru viveu uma verdadeira guerra contra as guerrilhas do Sendero Luminoso e do MRTA, que deixou um saldo de 69 mil mortos, segundo a Comissão da Verdade do país.

As 53 vítimas desaparecidas - crime pelo qual os militares foram condenados - seriam todas integrantes da guerrilha.

O chefe do Batalhão "Los Cabitos", o ex-tenente-coronel Humberto Orbegozo, recebeu a maior pena, de 30 anos de prisão. Já o chefe do Destacamento de Inteligência de Ayacucho, Pedro Paz Avendaño, foi condenado a 23 anos.

O juiz Ricardo Brousset ordenou a detenção imediata dos militares acusados de assassinato, que não acompanharam a leitura da sentença.

O chefe do Estado-Maior administrativo, coronel Roberto Saldaña, foi absolvido, enquanto as acusações contra os coronéis Carlos Briceño e Carlos Millones foram retiradas por problemas de saúde.

Lista de horrores

Durante a audiência, que começou na noite de quinta-feira (17) e seguiu até a madrugada desta sexta, foram citados os atos de violência, sequestro, desaparecimentos, torturas e execuções contra as 53 vítimas, detidas no quartel Domingo Ayarza, mais conhecido como "Los Cabitos", em 1983.

Segundo a Procuradoria, deste total, 34 pessoas permanecem na condição de desaparecidos, 15 foram torturadas, três mulheres sofreram violência sexual, e uma foi executada.

Esses crimes foram cometidos na cidade andina de Huamanga, na região Ayacucho, quando as Forças Armadas ficaram encarregadas da luta contra o Sendero Luminoso. Em "Los Cabitos", havia um forno usado para incinerar restos humanos.

Na América Latina, o Brasil ainda não julgou seus militares, como o fizeram o Peru, Uruguai, Argentina e Chile. No mundo, mais de 30 países já apostaram na iniciativa de criar uma Comissão da Verdade para resgatar sua memória e, em muitos casos, identificar e punir culpados.

(AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.