Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Odebrecht: senador governista acusado de ter recebido propina é preso na Colômbia

media Senador governista colombiano é preso por envolvimento no escândalo Odebrecht. REUTERS/Mariana Bazo

Um senador colombiano foi preso nesta quinta-feira (10) em Bogotá por sua suposta participação no escândalo de corrupção que envolve a construtora brasileira Odebrecht, informou o Ministério Público.

"De acordo com uma ordem emitida pela Corte Suprema de Justiça, o CTI (Corpo Técnico de Investigação do MP), cumpriu hoje a ordem de prisão do senador Bernardo Miguel Elías Náder", afirmou o órgão em comunicado à imprensa.

Elías é acusado de ter sido "beneficiário" do pagamento de propinas pela empreiteira para conseguir obras públicas no país. O MP encaminhou o caso ao alto tribunal no fim de julho, encarregado de investigar parlamentares, para que questionasse os vínculos de Elías, de 40 anos, e outros três senadores com a trama de corrupção que atinge 11 países.

Básima Patricia Elías, prima de Elias, também foi detida. Conhecido como "Ñoño" Elías, o congressista do Partido de la U, o mesmo do presidente Juan Manuel Santos, é considerado um dos barões eleitorais da Colômbia.

Propinas milionárias

A Odebrecht, envolvida em um escândalo global de corrupção, reconheceu ante o governo dos Estados Unidos ter pago US$ 11,1 milhões de dólares em propinas na Colômbia. Segundo o MP colombiano, as propinas superariam os US$ 27,7 milhões.

Também estão presos por envolvimento no esquema o ex-vice-ministro de Transporte Gabriel García e o ex-senador Otto Bula.

A autoridade eleitoral colombiana investiga o financiamento da Odebrecht às campanhas presidenciais de Santos e de Óscar Iván Zuluaga, seu rival nas eleições de 2014 pelo Centro Democrático, de direita, liderado pelo ex-presidente e senador Álvaro Uribe.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.