Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 12/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 12/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Vazamento de relatório contradiz política ambiental de Trump

Vazamento de relatório contradiz política ambiental de Trump
 
Trump: constrangido por mais um vazamento de informação na sua administração. REUTERS/Kevin Lamarque

Na noite de segunda-feira (7) o jornal “The New York Times” teve acesso, inesperado, a um relatório assinado por cientistas de 13 diferentes agências do governo americano. Segundo as conclusões do relatório a temperatura nos EUA sobe a ritmo alarmante desde os anos 1980 e que as últimas três décadas registraram as temperaturas mais altas na região nos últimos 1.500 anos.

Eduardo Graça, correspondente da RFI em Nova York

Vazado por funcionários públicos, o relatório, que ainda espera aprovação da Casa Branca, contradiz a política do próprio Trump, contrário ao Acordo de Paris e crítico das políticas de combate ao aquecimento global.

Na reportagem, o “New York Times” revelou que, desde o governo Reagan, não há um lobby tão poderoso de mineradoras interessadas em explorar carvão em terrenos do governo federal, em uma área que equivaleria a seis vezes o tamanho do estado da Califórnia.

Cientistas sabotam Trump

Os cientistas que vazaram o relatório para a imprensa temiam que esta e outras conclusões fossem retiradas do documento oficial antes de ser divulgado ao público.

Entre os dados estão a diminuição drástica, desde 1960, de noites gélidas no inverno e o aumento expressivo de finais de dia insuportavelmente quentes no verão. Frentes frias, desde 1980, também diminuíram em todo país, com o aumento de frentes quentes de ar. As chuvas aumentaram 4% em todo o país desde o começo do século passado e no estado mais gélido, o Alaska, o aquecimento é o dobro do registrado em todas as outras áreas, preocupando ainda mais os cientistas por conta do degelo que deve aumentar o nível do mar em áreas costeiras do oeste do Canadá e dos EUA.

O relatório precisa ser aprovado pela administração Trump até domingo. Durante os próximos dias, espera-se que aumente a pressão de ecologistas, democratas e cientistas contra o governo da maior potência mundial, que teima em alimentar o retrocesso em relação a políticas ambientais.

Novo vazamento embaraça a administração

A cada quatro anos, independentemente do partido que esteja no comando do governo, a administração federal é obrigada a apresentar aos cidadãos americanos um relatório detalhado sobre o clima e o meio-ambiente no país. O que o governo Trump não esperava é que os resultados fossem vazados, pelos próprios cientistas, para a grande imprensa, em uma clara retaliação da classe à maneira como a administração vem lidando com o tema.

Uma das principais conclusões do relatório, que certamente será usado politicamente pela oposição, é a de que “o aquecimento global aumentará ainda mais se continuarmos emitindo gases de efeito estufa como hoje, ou se aumentarmos esta produção”, o que vai de encontro às novas medidas no setor tomadas por Washington.

Fim da moratória de Obama

O governo Trump acabou com a moratória de exploração do carvão aprovada pela administração Obama e já planeja uma redução drástica de áreas de proteção ecológica, inclusive as que são consideradas monumentos nacionais em todo o país.

De acordo com dados do governo democrata, mais de 40% do carvão produzido nos EUA está localizado em áreas da União e, sozinho, ele responde por 10% de toda a produção de emissões de gases de efeito estufa. Os republicanos contestam estes números. Hoje, o governo americano embolsa cerca de US$ 1 bilhão/ano com royalties pagos pelas mineradoras, mas o governo Trump também pretende diminuir as taxas pagas pelas empresas para “aumentar a competição no setor”.

Reação nos tribunais

O Novo México e a Califórnia entraram na Justiça contra a liberação de áreas da União para exploração de carvão localizadas nos dois estados do oeste dos EUA alegando que elas prejudicam a qualidade de vida de suas respectivas populações.

Em Montana, ambientalistas conseguiram se unir aos pecuaristas e a grupos indígenas em uma aliança inusitada com o objetivo de impedir a mineração em área federal localizada ao lado de um dos principais reservatórios de água do estado.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Trump decreta anulação de medidas ambientais de Obama

    Saiba mais

  • Polêmica

    Quase metade dos americanos desaprova retirada dos EUA do Acordo de Paris

    Saiba mais

  • Quais as consequências para os EUA com a saída do Acordo de Paris?

    Saiba mais

  • Saída dos EUA do Acordo de Paris pode levar a aumento de 0,3°C, segundo ONU

    Saiba mais

  • “Não há volta no Acordo de Paris”: lideranças mundiais reagem a Trump

    Saiba mais

  • Trump adia decisão sobre Acordo de Paris e frusta reunião do clima na Alemanha

    Saiba mais

  • Clima

    Comunidade internacional começa a discutir implementação do Acordo de Paris sobre o clima

    Saiba mais

  • Marrocos/COP 22

    Clima: conferência cumpre objetivo de pavimentar aplicação do Acordo de Paris

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.