Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Santos acredita em acordo com ELN para pacificar Colômbia até 2018

media O presidente de Colômbia, Juan Manuel Santos, em Cartagena Presidencia colombiana

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse nesta quinta-feira (3) que confia em poder alcançar acordos de paz com a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) no último ano que resta de seu mandato.

Após selar a paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Santos negocia um acordo similar com o ELN em Quito, que, caso se concretize, acabaria por completo com o último conflito armado do continente.

"Assim como com as Farc, tenho uma linha vermelha com o ELN que não vou ultrapassar em nenhuma circunstância, mas espero que possamos chegar a um acordo, se existir a verdadeira vontade política" para isso, declarou Santos em coletiva na sede presidencial.

O chefe de Estado, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2016 por seus esforços de reconciliação com as Farc, iniciará o seu último ano de governo na segunda-feira (7). No poder desde 2010, Santos está impedido legalmente de buscar uma nova reeleição e aposta em terminar o seu mandato com um acordo com o ELN, a última guerrilha ativa do país.

As partes negociam desde 7 de fevereiro e atualmente discutem uma possível trégua visando a visita do papa Francisco em setembro.

Apesar das expectativas de Santos, o grupo rebelde colocou em dúvida a possibilidade de alcançar um acordo definitivo de paz antes das eleições presidenciais, que ocorrerão no fim de maio de 2018.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.