Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/01 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 13/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 13/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Farc formarão partido para nova etapa política na Colômbia

media O líder das Farc, Rodrigo Londoño, mais conhecido como "Timochenko" REUTERS/Jaime Saldarriaga

A antiga guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) se apresentará em 1º de setembro como um partido legal, ponto fundamental do acordo de paz da Colômbia após o seu desarmamento, anunciaram os seus comandantes.

"A abertura democrática de que a Colômbia precisa se avizinha", escreveu nesta segunda-feira (24) o líder das Farc, Rodrigo Londoño, mais conhecido como "Timochenko", em sua conta no Twitter".

As Farc definirão o seu alinhamento político, nome e candidatos em um congresso no fim de agosto.

"Chegamos à paz para participar da política", declarou o chefe negociador das Farc, Iván Márquez, ao anunciar o lançamento do movimento em coletiva.

O comandante Carlos Antonio Lozada explicou à AFP que o evento público do partido acontecerá na Praça de Bolívar, centro político de Bogotá, bem perto da sede da Presidência Casa de Nariño.

As Farc estão projetando o que será "esse grande ato político-cultural" daquela que foi a principal e mais antiga guerrilha do continente, acrescentou Lozada, cujo nome de batismo é Julián Gallo.

"Estamos abertos ao diálogo com todas as forças e os movimentos políticos do país", assegurou a ex-guerrilheira Erika Montero, que adiantou que o coletivo terá um caráter "antipatriarcal" e "anti-imperialista", focando no gênero, nos jovens e nas questões agrária e urbana.

Nome de guerra

A antiga guerrilha não descarta manter a sigla Farc, embora mude o nome para esse novo movimento político.

Cada ex-guerrilheiro definirá se participa da política com o nome de guerra ou com o nome de batismo.

"O partido político das Farc pode ser um passo para a abertura do sistema político na Colômbia", disse à AFP Marc Chernick, professor das universidades de Georgetown (Washington) e Los Andes (Bogotá).

Para o cientista político, as Farc buscarão consolidar um partido político de esquerda, mas não necessariamente marxista.

As Farc têm um alto índice de desaprovação, que em maio chegava a 82%, segundo um estudo da empresa Gallup.

Segundo o acordo, a antiga guerrilha terá um mínimo de 10 cadeiras no Congresso durante oito anos.

No entanto, um dos principais medos das Farc com sua passagem à vida legal é a possibilidade de que seus líderes sejam vítimas da violência política, similar ao extermínio de 3.000 simpatizantes, militantes e dirigentes da União Patriótica (UP, de esquerda), assassinados nos anos 1980 e 1990 por grupos paramilitares junto com forças estatais.

"É o momento da Colômbia se afastar da época triste da UP", disse Márquez nesta segunda-feira.

O lançamento do partido político será realizado poucos dias antes da visita do papa Francisco à Colômbia, de 6 a 11 de setembro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.